Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desafios e oportunidades para o crescimento da indústria ferroviária brasileira

Desafios e oportunidades para o crescimento da indústria ferroviária brasileira

25/05/2021 Vicente Abate

Temas latentes que precisam ser resolvidos em curto prazo permitirão que o progresso do transporte ferroviário nacional alcance competitividade mundial e gere emprego e renda para os cidadãos.

A indústria ferroviária brasileira capacitou-se, ao longo dos últimos anos, para melhor atender às concessionárias de transporte ferroviário de carga e de passageiros, do Brasil e do exterior, após investimentos significativos na construção de novas fábricas, modernização das instalações já existentes, aplicação de novas tecnologias e qualificação de sua mão de obra.

Os investimentos continuam, para oferecer, sempre, produtos e serviços inovadores da mais alta qualidade e de forma competitiva.

Foram vários os desenvolvimentos realizados pelos engenheiros brasileiros das empresas fabricantes de equipamentos, sistemas e componentes, e das prestadoras de serviços, que proporcionaram maior produtividade às concessionárias e a seus clientes, permitindo-lhes melhorar sua competitividade e obter retorno financeiro em suas operações.

Vagões de carga cada vez mais capazes e rápidos, na carga e na descarga, destinados a todos os produtos transportáveis sobre trilhos, como minérios, grãos e derivados, celulose, combustíveis e contêineres, dentre outros.

Locomotivas potentes, eficientes energeticamente e com elevada tecnologia embarcada, que proporcionam controle da operação em tempo real e redução de custos, principalmente do combustível, item prioritário das ferrovias.

Nesse sentido, a indústria nacional desenvolveu e já entregou ao mercado brasileiro, em setembro passado, a primeira locomotiva de manobra elétrica, 100% a bateria, que será exportada para os Estados Unidos este ano.

Trens de passageiros, dos mais diversos tipos, como trens de superfície, metrô, veículos leves sobre trilhos, monotrilhos e aeromóveis, que oferecem segurança, conforto e rapidez no transporte de nossa gente, com sensível economia de energia elétrica para as concessionárias.

Uma cadeia produtiva abastece todos esses veículos e fornece componentes de reposição às concessionárias, além de materiais para via permanente e sistemas de sinalização.

Com todo esse cabedal de conhecimento e de capacidade instalada, o que falta para a indústria ferroviária brasileira deslanchar?

Faltam, principalmente, previsibilidade e regularidade nas encomendas pelas concessionárias, que poderão se utilizar dos fatores a seguir elencados e possibilitar um novo patamar à nossa indústria.

É premente expandir nossa malha. São vários os projetos de carga, a começar pela ferrovia Norte-Sul, leiloada em 2019, que incorporará 1.537 quilômetros à malha atual, a partir de julho deste ano.

A seguir virá a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol 1), com 537 quilômetros, de Caetité (BA) a Ilhéus (BA), que será leiloada na B3, em 8 de abril. Depois virá a Ferrogrão, com 933 quilômetros, de Sinop (MT) a Miritituba (PA), que deverá ir a leilão ainda neste ano.

Outros projetos estão em andamento, como a Fiol 2, de Caetité (BA) a Barreiras (BA), com cerca de 500 quilômetros, em fase de construção pela Valec Engenharia, Construções e Ferrovias, com a participação do Exército Brasileiro.

Com previsão de início de construção ainda neste primeiro semestre, teremos a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), de Água Boa (MT) a Mara Rosa (GO), com cerca de 400 quilômetros, produto do investimento cruzado da renovação antecipada da concessão da Companhia Vale.

A Estrada de Ferro Paraná Oeste (Ferroeste) está em processo de privatização, que contempla sua extensão até Maracaju (MS). A Rumo Malha Norte prevê estender sua ferrovia, de Rondonópolis (MT) à região de Lucas do Rio Verde (MT), agregando cerca de 600 quilômetros à nossa malha.

São muitos também os projetos na área de passageiros, principalmente em São Paulo, como a construção das linhas 6 e 17 do Metrô, e a expansão das linhas 2 e 15 também do Metrô, da linha 9 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista.

Além da construção do trem intercidades, entre São Paulo e Campinas, e do people mover do aeroporto de Guarulhos.

Há vários outros projetos pelo Brasil como a concessão à iniciativa privada das linhas 8 e 9 da CPTM e de outros sistemas, como o de Brasília, da Companhia Brasileira de Trens urbanos (CBTU) e da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb).

1 – A renovação antecipada da concessão de seis malhas de carga, em vários estágios de execução no momento, deverá também alavancar a indústria ferroviária, com investimentos vultosos pelas concessionárias, que ultrapassam R$ 40 bilhões, e que proporcionarão também um novo patamar de qualidade nos serviços de transporte aos usuários das ferrovias.

2 – A renovação da frota de material rodante com mais de 40 anos de idade é um outro fator de impulso à indústria. Espera-se que as concessionárias e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) iniciem, com urgência, o “desfazimento” desta frota, preconizado por decreto presidencial, para que seja reposta a capacidade recebida pelas concessionárias há mais de 20 anos.

Com isso, vagões e locomotivas obsoletos, que operam com baixa eficiência e em condições precárias de segurança, serão sucateados.

3 – Por último, mas não menos importantes, a prorrogação do Reporto e a instituição do Projeto de Lei do Senado (PLS)261, o novo Marco Regulatório das Ferrovias, estão em vias de ser votados pelo Senado Federal.

São todos temas latentes, que precisarão ser resolvidos em curto prazo, permitindo o progresso do transporte ferro-viário nacional e, por extensão, da indústria ferroviária brasileira, garantindo assim a competitividade mundial de nossas commodities e gerando emprego e renda para nossos cidadãos.

Perseguir essas oportunidades, com a resiliência natural dos ferroviários, é o nosso desafio!

* Vicente Abate é Presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER).

Para mais informações sobre indústria ferroviária clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: ABIFER



Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.