Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dilemas e soluções para a difícil escolha da profissão

Dilemas e soluções para a difícil escolha da profissão

27/06/2015 Maurício Sampaio

Qual rumo profissional devo tomar? Qual a profissão que eu devo escolher? O que vou cursar na universidade? Será que vou ganhar dinheiro?

Certamente estas são algumas das perguntas que rondam a cabeça de um jovem que está prestes a participar do vestibular.

Escolher uma profissão, nos dia de hoje, não é uma missão tão simples. Tradicionais profissões dão espaço a novas opções e a novos caminhos.

A chegada em massa da tecnologia não só transformou processos como criou eficazes canais de oportunidades. Surge a cada dia, como num toque de mágica, uma variada gama de cursos: superiores, especializações, MBA’s e outros.

Além disso, cresce de forma vertiginosa o número de instituições de ensino superior no País. Outros “complicadores” também aparecem na hora da grande decisão e causam desconforto.

Escolher entre o sucesso e a fama ou o prazer e a satisfação pessoal? Optar pelo resultado financeiro ou a paixão pelo ofício?

Vejo muitos jovens que estão escolhendo e buscando sucesso profissional com base nos resultados financeiros, um grande erro!

Isso não passa de uma atividade meio, ou seja, ele virá desde que você se esforce em concretizar seus objetivos, cumprindo suas metas, sendo insistente, perseverante no seu sonho e criando um diferencial para o seu negócio ou para você mesmo!

A paixão também tem sua contribuição. Pior ainda para os jovens candidatos é lidar com as interferências externas, como a de pais que projetam em seus filhos aquilo que queriam ser, ou mesmo os induzem a dar sequência em suas atividades profissionais ou aos seus negócios.

Em alguns casos, isso se torna natural e sadio: numa família de médicos, os filhos admirarem a profissão dos seus pais e se tornam grandes médicos no futuro.

Outras interferências externas acontecem por conta da convívio social e da mídia. Do convívio social estão amigos de colégio, de clube, do bairro, das baladas, namorados e namoradas, que exercem uma grande participação na tomada de decisão, uma vez que o grupo tem grande importância nessa fase.

Quanto à questão da mídia, são os péssimos exemplos de ganho fácil que são veiculados todos os dias em rede nacional e que representam uma pequena realidade em um grande universo.

Para se fazer uma escolha mais consciente e com a maior chance de acerto, o candidato e seus pais precisam ter em mente que esse é um processo que deve começar o mais cedo possível.

Os pais devem procurar a escola de seus filhos para exigir esse apoio, mesmo essa não tendo obrigatoriedade por força de lei. Hoje é uma questão de bom senso e diferencial competitivo para as instituições de ensino.

Atualmente no mercado encontramos as iniciativas privadas, com empresas e profissionais autônomos que oferecem um trabalho organizado e baseado em processos sistêmicos de acompanhamento para a escolha profissional, como é o caso dos orientadores vocacional e do coaches vocacionais.

Além disso, muitas universidades públicas em seus estados costumam oferecer gratuitamente um apoio aos estudantes menos favorecidos financeiramente.

Ser negligente nesse exato momento pode custar muito caro depois, tantos em termos financeiros como emocional. Por isso, antecipe-se e comece sua jornada!

* Maurício Sampaio é coach de carreira, palestrante, escritor e fundador do InstitutoMS de Coaching de Carreira.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa