Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dívida com carro pode levar você para o buraco

Dívida com carro pode levar você para o buraco

06/03/2015 Lélio Braga Calhau

Os vendedores de automóveis, sabem que um consumidor que entra numa loja já está 60% motivado a comprar um carro.

O brasileiro, em muitos casos, se deixa levar pelas efusivas propagandas das grandes fábricas de automóveis e termina por fazer o primeiro mal negócio de sua vida com a compra de um carro.

Às vezes, para piorar, chega a ser um duplo mal negócio, porque ele compra financiado um veículo fora de suas reais necessidades e acima de sua capacidade financeira. Infelizmente, a maioria dos brasileiros, quando vai comprar um carro, só olha o valor da prestação e se ela encaixa no bolso.

É só olhar para as propagandas de consórcio de veículos espalhadas pelo Brasil onde, quase sempre, o foco (ao arrepio do Código de Defesa do Consumidor) é o valor da prestação e não o valor total do bem financiado. Normalmente, vem ainda para cima do consumidor com aquele papo de “custo zero”, “o jeito mais fácil de comprar o seu carro”, etc. Na verdade, sabemos que o jeito mais simples de comprar um carro é o mesmo de todas as outras coisas: trabalhar, poupar e pagar à vista.

Os vendedores de automóveis, muito bem treinados, sabem que um consumidor que entra numa loja já está 60% motivado a comprar um carro. Para outros, os que fazem o “inocente” test-drive, a conversão em vendas, na média, atinge valores superiores a 80% dos clientes. O consumidor desatento já entra numa posição desvantajosa na negociação, sem saber que uma decisão impensada deste porte tem a capacidade de prejudicá-lo financeiramente por muitos anos. Frases de efeito, todas preparadas nos treinamentos de vendas e disparadas em sequências pré-ordenadas, ajudam a alterar a percepção do consumidor.

Algumas dicas, como chamar o cliente pelo primeiro nome para buscar uma maior proximidade, repetir sempre frases com grande conteúdo emocional, como “você merece isso” ou “seus filhos vão adorar” fazem o estrago na percepção do consumidor desatento ou despreparado para a realização do negócio dessa importância.

Comprar um carro é algo muito bom e sempre nos fascina. Mas, tem ônus e responsabilidades muito maiores que só as maravilhas apresentadas nos comerciais das grandes fábricas. O dono do carro tem grandes despesas para a sua manutenção, tributos, multas de radares, seguros (cada vez mais caros), combustíveis subindo fortemente. Compre com a razão e evite se endividar por um bem, que por mais que seja desejado, vai trazer grande impacto para o seu patrimônio e pode afetar a vida de toda sua família por anos.

*Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa