Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Eleições econômicas

Eleições econômicas

18/08/2016 Bady Curi Neto

Pela primeira vez não poderá haver contribuição financeira para as campanhas eleitorais de pessoas jurídicas.

Com a proximidade das eleições municipais e as modificações da legislação eleitoral pela denominada minirreforma política a preocupação de todos voltam para a lisura e a justeza do pleito eleitoral.

É a primeira vez na história que não poderá haver contribuição financeira para as campanhas eleitorais de pessoas jurídicas. As pessoas naturais que, por ventura, queiram contribuir, deverão obedecer ao limite de 10% dos rendimentos brutos auferidos no ano anterior a Eleição.

Há, também, limite de gastos nas campanhas de Prefeito e Vereador tendo como balizamento o montante das Eleições anteriores, estabelecidos pelo TSE, nos termos dos art. 5º e 6º da Lei 13.165/2015. Os artigos citados estabelecem para as campanhas de Vereadores e Prefeito (em que houve apenas um turno) limite de gastos de 70% do maior gasto declarado para o cargo, na circunscrição eleitoral imediatamente anterior a publicação da lei, com a ressalva que nos Municípios de até dez mil eleitores, o limite de gastos será de R$ 100.000,00 (cem mil reais) para Prefeito e de R$ 10.000,00 (dez mil reais) para Vereador ou o que for maior.

No caso de Prefeito, a letra b e o inciso II da Lei estabelecem o limite de 50% (cinquenta por cento) do maior gasto declarado para o cargo, na circunscrição eleitoral que houve dois turnos, sendo que para o segundo turno das eleições, onde houver, o limite de gastos será de 30% (trinta por cento) do valor previsto no inciso I, ou seja, 70% do maior gasto declarado para o cargo, na circunscrição eleitoral, na eleição anterior.

Tais limites acrescidos à proibição de doações de pessoas jurídicas tem o intuito de evitar campanhas milionárias e que utilizem de dinheiro de corrupção disfarçada de doação eleitoral, como está se apurando na operação Lava Jato.

Empresas que tinham contrato com a Petrobras eram cooptadas para fazerem falsas doações em troca de benefícios em suas obras. A paridade de armas e os limites de gastos permitirão que os candidatos se apresentem por suas ideias aos eleitores e não pelas apresentações fictícias e milionárias “vendidas” por marqueteiros contratados a preço de ouro.

Estas restrições têm trazido uma apreensão, externada pelo presidente do TSE, Ministro Gilmar Mendes, que em recente entrevista disse: “A preocupação é com o próprio caixa dois (doações não declaradas), o financiamento ilícito, tendo em vista o teto estabelecido e a possibilidade de recursos irregulares".

Para efetividade do novo regramento eleitoral, necessário se faz uma fiscalização rígida, não só das instituições (Ministério Público e Justiça Eleitoral), mas de todos os cidadãos que têm esperanças em um Brasil melhor. Resta a pergunta, como a população poderá participar na fiscalização?

A Ordem dos Advogados do Brasil - MG criou um aplicativo denominado “OAB – Comitês Contra o Caixa Dois nas Campanhas Eleitorais”, para os telefones móveis, no qual o cidadão poderá fotografar irregularidade, fazer denúncias e, após uma triagem, por sua ouvidoria, será encaminhado ao Ministério Público para as providências cabíveis.

Não se está conclamando o denuncismo, mas o exercício da cidadania para eleições justas e limpas na escolha de nossos representantes na esfera municipal.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso