Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresas em direção ao futuro

Empresas em direção ao futuro

22/02/2022 Luiz Marcatti

Toda empresa precisa ter a capacidade de fazer projeções, além de avaliar o contexto externo e as condições do seu próprio mercado.

Desenvolver alguma previsibilidade contribui para superar desafios e sobreviver a momentos tão complexos e de tantas incertezas como as provocadas pela pandemia da Covid-19.

Quanto mais sintonizada a empresa estiver, melhor sua capacidade de lidar com pequenas mudanças ou mesmo acontecimentos que abalem pressupostos conhecidos, adquirindo uma percepção melhor sobre mudanças futuras.

No Brasil, a ruptura dos modelos econômicos, políticos e sociais começou já na década de 1980, com a recessão de 1981/1983, a reforma da Constituição Federal e os vários planos econômicos que se sucederam.

O ataque às Torres Gêmeas em 2001, a crise mundial de setembro de 2008, deflagrada pela falência do banco de investimento americano Lehman Brothers e a atual pandemia de Covid-19 são exemplos eloquentes de eventos que transformam o mundo, a economia, as barreiras organizacionais e a liderança.

Em circunstâncias como essas, um número surpreendente de executivos pode ficar prisioneiro das próprias convicções em relação ao futuro do seu negócio e diminuir sua capacidade de ajustar estratégias à nova realidade.

A empresa, então, passa a viver uma “dissonância estratégica”. O risco da dissonância é o risco de se ter pressupostos ultrapassados e que resultarão em estratégias perdedoras.

Apesar da consciência acerca da não linearidade no dia a dia das empresas, existe uma resistência em aceitar mudanças.

Os modelos mentais presentes na organização nem sempre estão aptos a captar o dinamismo das mudanças. Cria-se um mecanismo de defesa que custa a lidar com a necessidade, na grande maioria das vezes, de realizar uma ruptura com o presente.

Essa dissonância cognitiva, quando as ações entram em conflito com as percepções, leva à dissonância estratégica que afeta o futuro dos negócios, dada a dificuldade de líderes se desapegarem do modelo bem-sucedido presente.

Neurocientistas acreditam que são as barreiras emocionais como o medo, as barreiras de percepção como as heurísticas de pensamento e as barreiras culturais como hábitos e costumes que interrompem o acesso a esse potencial imaginativo.

A governança e a liderança devem cada vez mais estimular a preparação para as mudanças, pequenas ou grandes. Tão importante quanto uma empresa mais diversa e inclusiva, que impulsiona a atração de talentos, a criatividade e novas culturas organizacionais, é a promoção da diversidade de habilidades, atitudes e aptidões.

Preparar-se para as novas dinâmicas envolve revisão de modelos antigos e aprimoramento, por exemplo, do papel da liderança, processos de reconhecimento e premiação, oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento pessoal, critérios de recrutamento, entre outros.

Tais ações devem buscar sintonia com o negócio atual e permitir desenhá-lo para o futuro.

*Luiz Marcatti é sócio e presidente da MESA Corporate Governance.

Para mais informações sobre empresas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Agência Blue Chip



O Brasil enfrenta uma crise ética

O Brasil atravessa uma crise ética. É patente a aceitação e banalização da perda dos valores morais evidenciada pelo comportamento dos governantes e pela anestesia da sociedade, em um péssimo exemplo para as futuras gerações.

Autor: Samuel Hanan


Bandejada especial

Montes Claros é uma cidade de características muito peculiares. Para quem chega de fora para morar lá a primeira surpresa vem com a receptividade do seu povo.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil