Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Entenda porque amor é diferente de paixão

Entenda porque amor é diferente de paixão

14/08/2019 Alexandre Pedro

Você sabe diferenciar o amor da paixão?

Pois saiba que, apesar das semelhanças, os sinais de que alguém está apaixonado são bem diferentes de quem está amando.

O amor, normalmente, está relacionado a um sentimento bonito, estável e sereno, enquanto a paixão é tida como arrebatadora, turbulenta e, muitas vezes, sofrida.

Na paixão, enxergamos no outro aquilo que desejamos que ele fosse, e não o que ele realmente é. Ou seja, o parceiro é idealizado e transformado em um personagem.

Já o amor estabelece um padrão mais homeostático. Vemos o outro com seus defeitos e suas virtudes, de forma mais estática, e o amamos mesmo sabendo que ele não é perfeito ou completo.

A palavra “paixão” vem do termo grego Pathos, cujo conceito está relacionado a sofrimento, a algo que nos invade, domina nossos pensamentos e nos faz sair do nosso controle.

Por outro lado, o amor é menos intenso, mais pacato, mais confortável, mais controlável e menos temido.

Seria difícil estabelecer qual dos dois sentimentos tem mais valor. No período medieval, a paixão era considerada uma doença para a maioria das pessoas. Já para os românticos era uma forma, talvez a única, de se relacionar amorosamente.

Algumas pesquisas empíricas sustentam que a paixão duraria algo em torno de seis meses. No entanto, penso que determinar um tempo cronológico específico para a paixão seja como cercear as narrativas individuais, que são únicas e particulares.

O amor parece ter uma vida mais longa. Para Nelson Rodrigues, “todo amor é eterno; se morreu, não era amor”.

Para a paixão se transformar em amor, primeiramente, ocorre uma quebra da fantasia criada em relação ao parceiro, que deixa de ser uma projeção e passa, lentamente, a ser visto como ele é.

Neste processo há, naturalmente, uma perda afetiva imaginária, já que o ideal de perfeição primário dá lugar ao que é real.

Assim que houver a aceitação desse processo e o surgimento de uma nova forma de identificação, o amor passa a existir.

Em suma, amor e paixão são estados que se parecem, mas, no fundo, são bem distintos e não se camuflam. São sentimentos em estágios diferentes e que manifestam sensações e reações que, muitas vezes, são desconhecidas por nós mesmos.

* Alexandre Pedro é psicanalista pela Sociedade Internacional de Psicanálise de São Paulo, Master Practitioner de PNL filiado ao NLP Academy, Hipnoterapeuta filiado ao International Board of Hipnosys e ao National Guild of Hipnotists.

Fonte: Flávia Ghiurghi



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.