Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fim do voto secreto

Fim do voto secreto

26/06/2012 Julio César Cardoso

Segundo levantamento do Congresso em Foco, 68 senadores são favoráveis ao voto aberto no Congresso, seis ao voto secreto e os seis restantes não opinaram.

A transparência do voto em qualquer circunstância no Parlamento brasileiro é uma exigência de nossa sociedade. A nossa Constituição comete equívocos de tratamentos que diferenciam cidadãos. Ora, à luz da equidade todos os entes da federação, sejam civis ou não, deveriam merecer a mesma consideração.

Assim, verifica-se que o mal do legislador constituinte foi estabelecer exceção nas regras constitucionais, razão por que a nossa Constituição está repleta de concessões ou de privilégios políticos, os quais colidem com os seus próprios dispositivos. E o voto secreto faz parte dessas aberrações antidemocráticas que não se aceita. No preâmbulo das alíneas do Art. 5º constitucional está expresso que “Todos são iguais perante a lei, (...)”.

Ledo engano! Os parlamentares, os membros do STF, o presidente da República etc., têm tratamentos constitucionais diferenciados, que não são dispensados aos demais cidadãos brasileiros: têm foros privilegiados. Os deputados e senadores não podem ser processados criminalmente, sem prévia licença do Legislativo.

O presidente da República para ser processado criminalmente, nos crimes comuns, terá que ter aprovação de dois terços da Câmara dos Deputados para ser julgado pelo STF, mas o brasileiro comum é julgado de forma diferenciada, por quê? Não são todos iguais perante a lei? Que paradoxo constitucional é esse? Por isso, a elite política e plutocrata são beneficiadas com a leniência legal.

O voto secreto é uma imoralidade constitucional que privilegia um resultado obtido de forma mascarada, em que o parlamentar esconde o seu voto do conhecimento do eleitor, que tem todo o direito de saber as ações de seu parlamentar. O parlamentar que não assume as suas responsabilidades transparentes diante do país e demonstra medo ao não declinar o seu voto deveria deixar o Parlamento.

O Parlamento não é lugar de poltrão. O voto secreto, que tem maculado o Congresso Nacional com resultados indecorosos, não pode sob qualquer pretexto ter continuidade. Os parlamentares não têm que se esconder ou ficar preservado de críticas em votação no Congresso.

Assim, respeita-se a posição daqueles que são favoráveis ao voto secreto, mas o Congresso Nacional tem que trabalhar às claras, bem como tem o dever de dar satisfação de seus atos à sociedade eleitoral brasileira.

Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.