Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Governador Wilson Witzel e a criminalidade do RJ

Governador Wilson Witzel e a criminalidade do RJ

26/07/2019 Bady Curi Neto

O Rio de Janeiro, com o novo Governo Witzel, iniciou uma verdadeira guerra contra a violência urbana e o crime organizado.

As favelas, hoje denominadas comunidades, eram e ainda são dominadas por bandidos fortemente armados que desfilam livremente com fuzis e armas de uso restrito do exército, fazendo suas próprias leis, toques de recolher, exploração dos comerciantes, etc.

O Governador Wilson Witzel, ao assumir o cargo para qual foi eleito, declarou com todas as letras que bandido com fuzil será “abatido”, defendendo o uso de snipers invocando a legítima defesa da sociedade e os meios necessários para a proteção de policiais e da população.

O Governador ampara-se no artigo 25 do Código Penal que preceitua “Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.”

Obviamente que o indivíduo que está desfilando, ostensivamente, com armas de uso restrito, de forte calibre, no meio de vias públicas está a cometer uma injusta agressão iminente.

Aqueles que criticavam a postura austera do Governador contra o crime organizado começam a ver os resultados. No primeiro semestre de 2019 foram apreendidas 4.368 armas de fogo, 18% a mais do que o mesmo período do ano passado.

Houve uma redução de 24% de roubos de veículos obedecendo o mesmo comparativo temporal. E, por fim, uma queda de 23% dos homicídios dolosos (o menor patamar desde o ano de 1991, ou seja, há 28 anos o Rio de Janeiro não tem uma taxa de homicídios dolosos tão baixas).

Os críticos, sempre preocupados mais com a defesa dos bandidos do que com a vida dos cidadãos de bem, ressaltam que o número de mortes em confrontos com as forças de segurança pública representou um aumento significativo de 14,5% em relação ao mesmo período do ano pretérito, correspondendo a 30% das mortes violentas do Estado.

Ora, não restam dúvidas que isto iria ocorrer, o estado do Rio de Janeiro deixou de ter uma conduta passiva perante a bandidagem, iniciando um enfrentamento contra o crime organizado, por determinação do novo Governador, que vem cumprindo sua promessa de campanha.

Virar as costas para as comunidades carentes, onde o tráfico de drogas, milícias e chefes de facções as controlam, foi o que fez a violência do Estado Carioca disparar, alcançando níveis alarmantes.

O combate das forças de segurança contra o crime organizado, por evidente, traz efeitos colaterais, e um destes efeitos é o aumento de mortes de bandidos pelo enfrentamento da ação policial.

Os números da redução da violência no Rio de Janeiro, o aumento de armamento apreendido, a utilização de sniper, assim como outros dados, demonstram que a política de segurança pública implementada pelo Governo Wilson Witzel está no caminho certo.

Evidente que um problema desta magnitude não se resolve do dia para noite, foram anos e anos de complacência estatal com a criminalidade, fingindo que a violência era dos morros cariocas e não da sociedade, verdadeiros guetos do crime organizado.

O enfretamento se faz necessário, a amargura do remédio de hoje pode ser a cura do mal maior do amanhã.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa