Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Humor de mau humor

Humor de mau humor

18/09/2016 Bady Curi Neto

A irreverência, sarcasmo ou ironia fazem parte do conteúdo do humor.

Temos como humor uma das formas de arte e cultura, que através da comicidade torna a vida das pessoas mais leve e distraída, que, com a irreverência que lhe é peculiar, trata da maior diversidade de temas da vida cotidiana.

No humor, quase tudo é permitido, seja uma simples piada, a imitação de personagens da vida pública, sátiras em jornal, programas de televisão, charges e etc. No Brasil tivemos e temos grande humoristas, podendo citar alguns com os diversos conteúdos, desde o humor infantil, passando por piadas de cunho sexual/erótico a imitações e paródias políticas.

Quem não se lembra de Renato Aragão, alegrando os domingos da meninada (Os Trapalhões), Jô Soares (Planeta dos Macacos e Viva o Gordo), Chico Anysio (Escolinha do professor Raimundo) e vários outros personagens, Juca Chaves com suas sátiras musicais, Bussunda do “Casseta e Planeta”, até os atuais humoristas Fábio Porchat, Marcelo Adnet, entre outros.

Através do humor podem-se retratar assuntos acriançados até os de maior densidade e complexidade como a conjuntura política e econômica, denotando que o sorriso pode ser sério. Por se tratar de uma arte e forma de expressão, indubitável que não há de ser censurado, a liberdade de se manifestar, preceito primordial da liberdade de expressão, é um dos pilares da democracia, assegurado, no Brasil, Constitucionalmente em seu artigo 5º que trata dos Direitos e Garantias Fundamentais.

A irreverência, sarcasmo ou ironia fazem parte do conteúdo do humor, que por vezes trata de temáticas austeras diante do riso da plateia, esta é a arte do humorista. Há de se fazer uma distinção importante entre a liberdade do humor e da imprensa, enquanto aquela não tem compromisso com o mundo real, com a verdade propriamente dita, esta é transmissora dos reais acontecimentos, mesmo que sob ótica e opinião do articulista, jornalista ou editor.

O jornal francês “Charlie Hebdo”, famoso por suas sátiras, às vezes de péssimo gosto, voltou a fazer um desfavor ao humor ao publicar uma charge com o título “Terremoto de estilo italiano”, que mostra um homem calvo de pé e coberto de sangue com a legenda "penne ao molho de tomate", uma mulher gravemente esfolada perto dele de "penne au gratin" e pés se projetando entre os pisos de um edifício desmoronado de "lasanha".

O mundo inteiro ficou chocado com tal despautério que o periódico denominou de humor de iniciativa de seus jornalistas, protegido pela liberdade de expressão. O abalo sísmico foi de tamanha envergadura que levou a óbito mais de 300 pessoas e outros cem números de feridos.

Enquanto seres humanos choravam a perda de seus bens, amigos e entes queridos, o jornal francês fazia piada com o desastre, o humor de mau humor. Então é de se perguntar, não há limites para o humor? A escusa da liberdade de expressão pode o humorista publicar qualquer coisa?

No Brasil, o princípio constitucional da liberdade de expressão deve ser interpretado com outros princípios de não menos importância, a exemplo dos princípios à honra, a privacidade da dignidade da pessoa humana, para citar alguns.

Por lógico e por não permitir retrocesso à democracia não há de se falar em censura prévia, que macularia a liberdade de expressão, mas o exercício abusivo desta liberdade, acaso configurado ilícito, permitirá ao ofendido ou lesado buscar indenização correspondente.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso