Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Inflacionamento de diplomas

Inflacionamento de diplomas

06/09/2014 Heitor Machado

Em pesquisa divulgada em 2012 pelo Instituto Paulo Montenegro, verificou-se que 38% dos universitários estavam em situação de analfabetismo funcional.

Já em pesquisa divulgada pela Universidade Católica de Brasília em 2014, apurou que 50% dos universitários se encontravam nessa situação. O analfabeto funcional é aquela pessoa que sabe ler e escrever, mas não se encontra em condição de interpretar textos simples, cálculos básicos ou capacidade de escrita de exposição de argumentos, ou mesmo de uma simples redação.

Sabe-se que um dos gargalos de crescimento no país é a carência de mão de obra qualificada, e num esforço para a resolução desse problema, mais do que dobrou o número de vagas no Ensino Superior no Brasil nos últimos dez anos. São diversos os motivos dessa alta: a criação programas de financiamento estatais como Fies e Prouni. No entanto, a despeito da informação sobre o analfabetismo funcional, continua-se criando vagas e investindo mais em educação de alto nível.

É bem verdade que ao criar mais notas, via Banco Central não se cria riqueza alguma, em contra partida cria-se cada vez mais diplomas para os brasileiros, sem que de fato a produtividade do país cresça de igual forma. Para exemplificar, se tivermos mais engenheiros diplomados que compreendam menos os projetos que fazem ou recebem, precisaremos de mais engenheiros para fazer o trabalho que apenas um muito produtivo faria.

Se quando o governo cria mais papel moeda sem lastro para pagar dívidas estatais cria-se juntamente à inflação, o que estaria nascendo quando tivermos mão de obra diplomada que não produz mais por não ter domínio ao interpretar um texto ou fazer uma operação matemática mais elaborada? Talvez a resposta seja desemprego qualificado.

A saída está na melhoria efetiva da educação básica, o desengessamento dos currículos que dariam assim ao mercado uma gama maior de possibilidades e possibilidade de customização de serviços, satisfazendo seus consumidores e aumentando as experiências de sucesso. É estranho que a sala de aula ainda seja muito parecida com a de duas gerações atrás, mesmo com tantas inovações tecnológicas em todos os outros campos.

*Heitor Machado é Empreendedor e Colunista do Instituto Liberal.



Aos mestres, com carinho, nossa gratidão!

“Vivemos um tempo atípico” e “Precisamos nos reinventar” são algumas das frases mais pronunciadas nesses últimos meses.


Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.


O receio de opinar

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.


Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.