Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Inovação e Obesidade

Inovação e Obesidade

10/10/2013 Tânia Cerqueira

A obesidade representa, hoje, um dos problemas mais importantes relacionados à saúde. Pelo menos 65% da população mundial mora em países onde o sobrepeso mata mais do que a desnutrição.

A evolução silenciosa desse problema criou um mundo onde o normal é NÃO ser saudável. O Brasil encontra-se a caminho de, em 2022, vir a tornar-se tão obeso quanto os Estados Unidos. O marketing também enfrenta essa nova força externa, aparentemente tão irreversível, que se assemelha a uma ‘tendência dura´ (hard trend), com a qual teremos de lidar pelo menos nos próximos dez anos.

Diante da pouca chance de reverter o cenário, nosso desafio consiste em pensar sobre nosso papel diante do novo contexto e nas inovações possíveis. A geração XXL não criará impacto somente nos setores de alimentos e bebidas. Afetará, de múltiplas formas, o design, as funcionalidades, a forma de comunicar-se com consumidores. Provavelmente todas as categorias - produtos, serviços e ambientação - sofrerão ajustes. O modo de pensar XXL acabará tornando-se referência para cada ponto de contato de marketing e comunicação, uma vez que os obesos representarão a grande maioria da população geral.

Por tanto, os fatores demográficos ganharão mais uma variável. Possivelmente, no futuro próximo, teremos cotas de peso dentro das amostras e grupos de discussão com convidados de classe C magros, com sobrepeso e obesos. Talvez seja necessário realizar estudos etnográficos em famílias obesas ou mães magras com filhos obesos ou mães obesas com filhos magros. O quadro ainda está por se configurar. Outro complicador está no fato de uma parte das pessoas com sobrepeso e obesos não se verem nessa condição e, por isso, não se identificarem com comunicação destinada a elas.

Isso exigirá pensar em técnicas diferentes, que abusem da tecnologia (social mídia, smartphone) e talvez grupos de conflito, para evidenciar as diferenças. Um workshop de geração de ideias e de insights demandará informações sob um novo ângulo e em um screening de ideias ou conceitos que irão considerar a condição de quem está avaliando. Porém, além de adaptar-se ao fenômeno XXL, podemos reagir a ele. Há grandes oportunidades para que as empresas posicionem-se como agentes positivos, a fim de que o cenário de 2022 não se confirme.

Conscientização do público por meio de lançamentos de porções menores, equilíbrio das dietas ou patrocínio de eventos que estimulem a prática esportiva são apenas alguns exemplos das inúmeras possibilidades com as quais contamos ou que deveremos criar. Se fracassarmos nesse intuito e o pior cenário se confirmar, como vamos nos preparar para esse novo mundo?

*Tânia Cerqueira, Diretor de Inovação, Ipsos.

Fonte: World Health Organization 2012 e Ipsos Generation XXL, 2012



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.