Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mais diálogo, menos conflito

Mais diálogo, menos conflito

01/07/2016 Eduardo Shinyashiki

Quem impõe o que pensa tende a criar conflitos e não gera cooperação e integração com as pessoas.

Muitas vezes encontramos no ambiente pessoal e profissional pessoas que querem impor a sua opinião e ter razão a qualquer custo.

Normalmente, elas não aceitam o ponto de vista do outro e sustentam a sua ideia até o fim. Por um lado, é importante ter segurança sobre o que se diz, mas será que o fato de querer ter sempre razão tem algum limite?

Quem impõe o que pensa tende a criar conflitos e não gera cooperação e integração com as pessoas. O indivíduo utiliza o julgamento e a crítica na sua comunicação ao invés da compreensão e diálogo e acaba reagindo agressivamente na defesa da própria opinião.

Entrar em uma discussão com atitudes mentais como “eu ganho, você perde”, “eu tenho razão, você está errado” e “eu falo, você fica calado”, claramente não ajuda a desenvolver relações positivas. A base da discussão saudável é conseguir se comunicar e criar relações gratificantes e positivas com as pessoas.

Para isso, a tolerância, a abertura ao diálogo e a aceitação do outro são fundamentais. É importante entender, ainda, que existe um ponto de equilíbrio para defender opiniões e fazer com que elas sejam respeitadas.

O limite para justificar as próprias ideias é quando a conversação produtiva acaba e inicia-se uma batalha para impor a própria imagem e a ideia defendida, desrespeitando o interlocutor e tornando a interação autoritária e destrutiva.

Nesse sentido, podemos evidenciar alguns pontos de reflexão para atingir qualidade no diálogo, ser assertivo e conseguir um verdadeiro debate.

1 - Atenção à comunicação verbal e não verbal. Cuidado com as palavras utilizadas e também com o tom de voz, volume, as expressões do rosto e os gestos, pois a linguagem corporal tem um papel decisivo no resultado do diálogo;

2 - Não interrompa o interlocutor. Quando ele está no meio de um pensamento ou mensagem, ouça com atenção e demonstre interesse pelo que está sendo dito. Esses pontos ajudam a manter o diálogo vivo;

3 – Ouça as opiniões do outro, crie empatia e abertura ao diálogo. Procure entender quais os objetivos e desejos do interlocutor parar diminuir possíveis divergências e fatores de conflito interpessoal;

4 – Tenha clareza. Seja direto e honesto na exposição dos próprios pontos de vista, permitindo que o interlocutor compreenda as suas opiniões;

5 – Seja gentil na comunicação. Lembrando que ser assertivo não significa ser agressivo. Pelo contrário, a assertividade demonstra, de forma respeitosa, clara e eficaz, que o indivíduo sabe o quer. Atitudes gentis criam um clima positivo e sereno e expressam força e segurança.

É possível criar um diálogo efetivo sem perder o limite da razão. Reconheça que o outro é tão importante quanto você e crie conversas produtivas e agradáveis, sempre valorizando as particularidades de cada ponto de vista.

Dessa forma, aumentam-se as chances de manter relações saudáveis e duradouras em todos os contextos da vida!

* Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, conferencista nacional e internacional e especialista em Desenvolvimento das Competências de Liderança aplicadas à Administração e Educação.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa