Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mitos sobre a recuperação judicial

Mitos sobre a recuperação judicial

28/04/2022 Mara Denise Poffo Wilhelm

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.

Um dos principais temores dos empresários, e que afeta sua decisão para ingressar com uma recuperação judicial, é o “falatório”, sendo este relacionado a má gestão, atribuindo exclusivamente a culpa pela situação financeira a má condução da empresa.

Este é um dos mitos que mais abala o psicológico do empresário, sendo uma inverdade na maior parte dos casos, e, mesmo que houvesse qualquer correlação com a verdade, ainda sim, quem não erra ou toma decisões equivocadas? Nesse caso, não lhe cabe uma chance de corrigir?

Muitos fatores podem contribuir para que uma atividade empresarial entre em crise econômico-financeira, tais como: câmbio, recessão econômica, taxas de juros, concorrência desleal, pandemias, guerras, barreiras sanitárias, entre outras.

É comum também ouvir que a empresa que ingressa em recuperação judicial é para “dar um golpe financeiro” nos credores.

Certamente é uma grande falácia, pois a empresa para ter seu pedido de recuperação judicial deferido precisa comprovar através de balanços e fluxos de caixa (projetado) que preenche os requisitos para obter o benefício legal.

Condutas como desvio de recursos ou bens são facilmente identificadas pelo administrador judicial e penalizadas. Outro temor dos empresários é ouvir que “toda empresa em recuperação judicial vai falir”.

É mais uma inverdade a ser combatida, pois o objetivo de um processo de recuperação judicial é justamente o inverso, visa auxiliar as empresas em sua recuperação econômico-financeira, possibilitando que equalize seu endividamento e pague os credores segundo sua capacidade de geração de caixa, bem como, propicia um período de proteção (stay period) para sua reestruturação.

Também é comum o empresário afirmar que “a recuperação judicial será minha última escolha”, servindo apenas como desculpa para o inevitável.

Postergar o ingresso do pedido somente faz com que a empresa aumente seu endividamento, muitas vezes exaurindo estoques, duplicatas a receber e as disponibilidades financeiras.

A última escolha é um mito muito perigoso, porque aproxima rapidamente as empresas de um estado falimentar. O ideal é buscar ajuda quando identifica a crise, mas sem deixar agravar excessivamente.

“Não quero entrar com a recuperação judicial pois não aceito que o administrador judicial tome as decisões em meu lugar”. É um equívoco total esse pensamento de muitos empresários.

Apesar do nome, o administrador judicial exerce atividades de auxiliar do Juízo, fiscal dos credores, visando preservar os interesses das partes envolvidas e da empresa.

Em suma, o administrador judicial não administra a empresa em recuperação judicial, tendo suas funções delimitadas na própria lei.

Superados os mitos que atormentam o empresário, a tomada de decisão pelo ingresso da recuperação judicial deve ser pautada em estudos técnicos que comprovem a sua necessidade, sem a influência de comentários baseados tão somente em “achismos” – expressão comum quando não há provas da opinião ofertada e que coloca em risco a continuidade de muitos negócios.

* Mara Denise Poffo Wilhelm é advogada e colunista do Denarius (Boletim Econômico Financeiro da FipeCafi Projetos).

Para mais informações sobre recuperação judicial clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Cangerana Comunicação Estratégica



Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.



Comitê de segurança digital acelera a jornada da empresa em direção ao modelo ESG

A avassaladora onda de ataques cibernéticos contra as empresas brasileiras está acelerando a transformação das organizações.


O caminho para um futuro hiperconectado

A hiperconectividade já está presente no dia a dia de milhões de pessoas.