Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Brasil não parou, nem pode parar

O Brasil não parou, nem pode parar

23/03/2021 Luiz Lemos Leite

A partir de março de 2020, vivemos as incertezas do processo pandêmico do coronavírus obtendo no final do ano indicadores favoráveis de recuperação da economia e de controle da saúde.

A preservação da atividade econômica em conjunto com os cuidados da saúde ofereceu perspectivas animadoras quanto à superação dos efeitos devastadores desse vírus que abalou o mundo.

O governo envidou esforços de natureza sanitária e econômica para salvar vidas e evitar a paralisação das atividades produtivas, com medidas emergenciais adotadas para alocar bilhões de reais como é do mais amplo conhecimento de todos.

Neste contexto de tantas complexidades, é de ressaltar o invejável papel desempenhado pelo fomento comercial, que contribuiu, de forma significativa, injetando cerca de R$120 bilhões, em recursos próprios, para garantir o funcionamento das micro, pequenas e médias empresas, em montante bem superior ao liberado pelo PRONAMPE, programa de crédito elaborado pelo governo.

Entretanto, com sua experiência e habilidade, o fomento comercial soube usar a sua capacidade para administrar as dificuldades enfrentadas pelas micro, pequenas e médias empresas, mitigando os efeitos de uma inadimplência, prorrogando prazos e repactuando contratos para assegurar a sobrevivência de suas empresas clientes.

Tão invejável foi o desempenho do fomento comercial que é de inteira justiça enaltecer os resultados obtidos na gestão de riscos, operando sua carteira de recebíveis com índices de liquidez, razoáveis, que giraram em torno de 70 a 90%.

Iniciamos 2021 com essas auspiciosas perspectivas contextualizadas pelo início da vacinação. Inquestionavelmente a vacinação foi comemorada com a esperança nacional de imunização e de retomada efetiva da normalidade da vida do País.

A par de todas essas medidas, não se pode omitir a participação efetiva da indústria, do comércio, do agronegócio e dos serviços que geraram renda e emprego, que, só poderão ter sucesso se conjugados com um intenso programa de vacinação para bloquear a circulação do vírus.

A pauta da mídia nacional se tornou exaustiva e tautológica ocupando espaço e tempo insistindo em discorrer e vaguear com especulações de natureza geopolítica, ideológica, sociológica, econômica e humanitária, em torno do gravíssimo problema pandêmico de nossa atualidade.

Por que não ressaltar a atuação daquelas atividades produtivas que sustentam a economia?

Nestes meses de pandemia, férteis para a criatividade do pequeno empresário, surgiram 2 milhões de novas microempresas individuais, segundo o SEBRAE.

Hoje no Brasil são 11 milhões de MEIs, fora as pequenas e médias empresas. Este é o mercado alvo do fomento comercial, que vem sendo muito bem trabalhado. O Brasil é um País prodigioso com um potencial incomensurável de riquezas.

Para nós, que nestes meses temos realizado viagens, de carro, por São Paulo, Paraná e Santa Catarina, a maior e mais cabal prova está nas rodovias deste imenso Brasil, cruzadas em todos os sentidos por intensa movimentação de milhares de caminhões transportando riquezas agregando valor à economia.

Temos que valorizar o trabalho de milhares de brasileiros que se desdobram em produzir bens e serviços. Caminhão não faz turismo.

A única solução, para o momento, está em respeitar os protocolos, com a vacinação em massa, com os cuidados básicos de saúde, conjugada com a preservação da atividade econômica para gerar milhares de empregos em todos os segmentos da economia nacional incrementando a capacidade de renda das classes menos favorecidas para aumentar o valor do PIB nacional.

Empresários do fomento comercial, vamos prosseguir nessa luta de apoio às micro, pequenas e médias empresas.

Sucesso! Muito Sucesso!

* Luiz Lemos Leite é presidente da Anfac e ex-diretor do Banco Central. 

Para mais informações sobre economia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Francke Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?