Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Brasil não parou, nem pode parar

O Brasil não parou, nem pode parar

23/03/2021 Luiz Lemos Leite

A partir de março de 2020, vivemos as incertezas do processo pandêmico do coronavírus obtendo no final do ano indicadores favoráveis de recuperação da economia e de controle da saúde.

A preservação da atividade econômica em conjunto com os cuidados da saúde ofereceu perspectivas animadoras quanto à superação dos efeitos devastadores desse vírus que abalou o mundo.

O governo envidou esforços de natureza sanitária e econômica para salvar vidas e evitar a paralisação das atividades produtivas, com medidas emergenciais adotadas para alocar bilhões de reais como é do mais amplo conhecimento de todos.

Neste contexto de tantas complexidades, é de ressaltar o invejável papel desempenhado pelo fomento comercial, que contribuiu, de forma significativa, injetando cerca de R$120 bilhões, em recursos próprios, para garantir o funcionamento das micro, pequenas e médias empresas, em montante bem superior ao liberado pelo PRONAMPE, programa de crédito elaborado pelo governo.

Entretanto, com sua experiência e habilidade, o fomento comercial soube usar a sua capacidade para administrar as dificuldades enfrentadas pelas micro, pequenas e médias empresas, mitigando os efeitos de uma inadimplência, prorrogando prazos e repactuando contratos para assegurar a sobrevivência de suas empresas clientes.

Tão invejável foi o desempenho do fomento comercial que é de inteira justiça enaltecer os resultados obtidos na gestão de riscos, operando sua carteira de recebíveis com índices de liquidez, razoáveis, que giraram em torno de 70 a 90%.

Iniciamos 2021 com essas auspiciosas perspectivas contextualizadas pelo início da vacinação. Inquestionavelmente a vacinação foi comemorada com a esperança nacional de imunização e de retomada efetiva da normalidade da vida do País.

A par de todas essas medidas, não se pode omitir a participação efetiva da indústria, do comércio, do agronegócio e dos serviços que geraram renda e emprego, que, só poderão ter sucesso se conjugados com um intenso programa de vacinação para bloquear a circulação do vírus.

A pauta da mídia nacional se tornou exaustiva e tautológica ocupando espaço e tempo insistindo em discorrer e vaguear com especulações de natureza geopolítica, ideológica, sociológica, econômica e humanitária, em torno do gravíssimo problema pandêmico de nossa atualidade.

Por que não ressaltar a atuação daquelas atividades produtivas que sustentam a economia?

Nestes meses de pandemia, férteis para a criatividade do pequeno empresário, surgiram 2 milhões de novas microempresas individuais, segundo o SEBRAE.

Hoje no Brasil são 11 milhões de MEIs, fora as pequenas e médias empresas. Este é o mercado alvo do fomento comercial, que vem sendo muito bem trabalhado. O Brasil é um País prodigioso com um potencial incomensurável de riquezas.

Para nós, que nestes meses temos realizado viagens, de carro, por São Paulo, Paraná e Santa Catarina, a maior e mais cabal prova está nas rodovias deste imenso Brasil, cruzadas em todos os sentidos por intensa movimentação de milhares de caminhões transportando riquezas agregando valor à economia.

Temos que valorizar o trabalho de milhares de brasileiros que se desdobram em produzir bens e serviços. Caminhão não faz turismo.

A única solução, para o momento, está em respeitar os protocolos, com a vacinação em massa, com os cuidados básicos de saúde, conjugada com a preservação da atividade econômica para gerar milhares de empregos em todos os segmentos da economia nacional incrementando a capacidade de renda das classes menos favorecidas para aumentar o valor do PIB nacional.

Empresários do fomento comercial, vamos prosseguir nessa luta de apoio às micro, pequenas e médias empresas.

Sucesso! Muito Sucesso!

* Luiz Lemos Leite é presidente da Anfac e ex-diretor do Banco Central. 

Para mais informações sobre economia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Francke Comunicação



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.