Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O golpe das urnas

O golpe das urnas

10/10/2016 Bady Curi Neto

O golpe desta vez foi real, manifestado nas urnas de forma cívica e democrática, de acordo com a consciência de cada um.

Durante todo o processo do impeachment e após o julgamento do impedimento da presidente Dilma Rousseff, ouviu-se aos quatro cantos do país, pelos petistas e simpatizantes que houve um golpe na democracia.

A senadora Gleisi Hoffmann, hoje denunciada e ré por corrupção e lavagem de dinheiro no STF, juntamente com seu marido Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento do governo Lula e das Comunicações de Dilma – chegou, aos berros, a dizer aos seus colegas; “Aqui não tem ninguém com condições para julgar ninguém. Qual a moral do Senado para julgar uma presidente da República? ”

Sabe-se que a legitimidade para o julgamento do impeachment é constitucional, já no campo moral parece que a senadora pretendia medir os senadores por sua própria régua, dado a seu envolvimento no escândalo de corrupção.

Ouviu-se muito a tentativa de desqualificar a operação lava-jato e as prisões deferidas pela justiça ao argumento que eram seletivas, sem, contudo, aclarar que os fatos ocorreram nos últimos treze anos em que o governo petista ocupava o cargo maior da nação.

Chegou, então, a primeira eleição após o impedimento da presidente e os escândalos de corrupção envolvendo seu partido. A maior manifestação popular da democracia, onde o voto de cada cidadão expressa seu contentamento ou descontentamento com os partidos políticos, demonstrado na escolha de seus candidatos.

Ao comparecer às urnas para votar, os ex-presidentes Lula e Dilma, em entrevistas distintas, falaram que seu partido iria surpreender a todos nesta eleição. Assistem-lhes a razão, só que ao inverso do que imaginavam. A cidade de São Paulo teve o maior número de abstenções e votos nulos das últimas seis eleições.

O candidato vitorioso a prefeito Municipal, denominado como um aventureiro, por Lula, ganhou no primeiro turno com 53,3% dos votos válidos contra 16,7% do atual prefeito do PT, Fernando Haddad. O filho do ex-presidente Lula não conseguiu se reeleger vereador em São Bernardo do Campo (SP), conhecido reduto eleitoral petista.

Ultrapassando a barreira de São Paulo, o PT que comandava 630 prefeituras teve uma queda de 63,3% no primeiro turno. Nas 26 capitais apenas Rio Branco reelegeu o prefeito Petista, sendo que o partido só disputará o segundo turno em uma capital – Recife.

Acrescente-se que quase a totalidade dos candidatos do PT quis dissociar sua imagem das cores e do símbolo do partido, além de não utilizarem de Lula e Dilma como cabos eleitorais. Depoimentos de Dilma foram exibidos nos programas eleitorais de Raul Pont (PT - Porto Alegre), Jandira Feghali (PC do B - RJ) e Alice Portugal (PC do B - Salvador).

Os candidatos tiveram redução, nas pesquisas, das intenções de voto após a exibição da participação da ex-presidente. O golpe desta vez foi real, manifestado nas urnas de forma cívica e democrática, de acordo com a consciência de cada eleitor, demonstrando sua insatisfação pelos desmandos ocorridos nos últimos anos pelos governos Lula e Dilma e partidos atolados em escândalos de corrupção.

* Bady Curi Neto é advogado, ex-juiz do TRE-MG, fundador do escritório Bady Curi Advocacia Empresarial.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa