Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O papel da assessoria de imprensa em épocas de crise

O papel da assessoria de imprensa em épocas de crise

04/05/2016 Vera Lucia Rodrigues

Em vez de eliminar gastos na área de marketing, concentre-se na realização de investimentos inteligentes.

Em momentos econômicos difíceis, como o que estamos vivendo, há uma tendência de redução de custos em todas as esferas corporativas. No entanto, um cenário de crise econômica não se constitui nenhuma novidade para a maioria dos empresários e empresas no Brasil.

Depois de um sólido período de estabilidade financeira, o país volta a enfrentar uma de suas piores crises, com o estado de recessão econômica agindo em cadeia nos mais diversos mercados e minando investimentos.

Como já sabemos, em geral, os cortes começam na área de comunicação, que nessas horas não é vista como prioritária dentro da corporação, o que se constitui em um equívoco sério, porque sem visibilidade a empresa fica ainda mais afetada.

Mesmo que o argumento seja no sentido de diminuir as despesas, ressalva deve ser feita dentro do setor de assessoria de imprensa, que as vezes com bem menos recursos do que a publicidade consegue ampliar significativamente a exposição de uma empresa, especialmente na área de pequenas e médias empresas que normalmente não tem muita verba para investir em visibilidade.

Nesse sentido, talvez deva haver um melhor aproveitamento dos recursos, uma vez que períodos turbulentos demandam reflexão e criatividade. A palavra de ordem deve ser otimização. Em vez de eliminar os gastos com a área de marketing, vamos nos concentrar na realização de investimentos inteligentes.

Dessa maneira, sua empresa não ocupará várias páginas de publicidade ou fará uma campanha na Globo, mas estará presente no noticiário, que resultará em uma maior exposição da marca e a possibilidade de um aumento efetivo na procura e, consequentemente, nas vendas.

O que você pode fazer para estar presente no noticiário? Contratar um esquema de assessoria de imprensa, que transforme a sua empresa em notícias com lançamentos, exportações, participação em feiras, contratação de novas pessoas, realização de cursos e eventos e outras notícias.

Com isso, a empresa não só estará mais preparada para enfrentar os períodos de dificuldade como também pode sair fortalecida e renovada para os tempos de bonanza que, eventualmente, reaparecerão.

A fórmula não é, exatamente, mágica, porém, se bem aplicada, pode gerar um melhor conhecimento da marca e dos produtos, levando a uma maior procura pela sua empresa e/ou produtos.

* Vera Lucia Rodrigues é jornalista, mestre em comunicação social e diretora da Vervi Assessoria

Fonte: Vervi Assessoria



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.