Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O público e o privado

O público e o privado

06/06/2012 Julio César Cardoso

O Brasil está loteado pela corrupção política. E corrupção na mais alta escala. Dificilmente há político que não se utilize recursos ou de benefícios espúrios durante o mandato.

Não precisa fazer parte do mensalão ou das amizades do bicheiro Carlinhos Cachoeira para ser considerado corrupto. A corrupção política está disseminada pelas facilidades que o poder público, sem fiscalização, proporciona àqueles servidores inescrupulosos, com mandato ou não, que fazem da vida pública meios de seus enriquecimentos ou transações ilícitas.

E não é difícil checar a legitimidade do patrimônio desses larápios. Basta avaliar a incompatibilidade patrimonial deles com a as suas rendas salariais. E a gente fica perplexa com a leniência do fisco nacional, que só demonstra competência para azucrinar a vida dos bagrinhos.

Parece até um fisco nefelibata, parodiando Collor de Mello, ou seja, que vive nas nuvens e não sabe de nada. Qual partido ou político que não tenha envolvimento suspeito com atos irregulares? Há exceções, mas são poucas. Como são operadas financeiramente as campanhas políticas no Brasil? E o caixa dois dos partidos? Há petistas que gostam de jogar pedras nos tucanos como se eles fossem a vestal da moralidade, mas o seu passado e presente continuam sendo estampados negativamente na mídia brasileira.

Deveria haver no Brasil um tribunal de inquisição para julgar o patrimônio de todos os políticos e familiares, com o objetivo de resgatar o dinheiro público surrupiado, que muita falta faz para Educação, Saúde e Segurança. Vejam como veladamente se assalta o Erário.

Enquanto a sociedade carente não tem dinheiro para pagar plano de saúde privado, é tratada com menoscabo pela classe política, morre em filas de hospitais públicos ou é jogada como animal em corredores fétidos dessas instituições, porque não há médico nem leito disponíveis – pasmem, os nossos senadores da República, os ex-senadores e familiares, de forma perene, têm assistência médica e hospitalar gratuita no Senado Federal, sem nunca terem contribuído com um só centavo. Mas eles se acham impolutos e se consideram honestos, mesmo desrespeitando flagrantemente os artigos 5º e 37, da Constituição Federal.

Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.