Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que o código dos samurais nos ensina sobre liderança

O que o código dos samurais nos ensina sobre liderança

02/05/2017 Eduardo Shinyashiki

Para ter excelência no externo, precisa ter maestria no interno.

Imersos no caos das mudanças e desafios do contexto atual, os líderes muitas vezes se sentem deslocados e podem se equivocar sobre as estratégias a serem tomadas, os tempos de ação, as escolhas, as decisões e as atitudes.

Mas, será que isso é possível? Será que podem aprender a ser mestres na arte da liderança, conseguir os resultados escolhidos e chegar à solução ideal, sem perder a saúde e a identidade?

O encontro da cultura oriental com a ocidental pode ajudar a responder essas questões e formar novas possibilidades de entendimento e ação para os líderes das empresas. É o caso do Bushido, antigo código de honra e um estilo de vida para os samurais, que fornecia parâmetros para esses guerreiros viver e morrer com honra.

Literalmente, Bushido significa “caminho do guerreiro” e nele é possível identificar alguns princípios extremamente eficazes para o “caminho” do dia a dia de trabalho e algumas respostas relacionadas à liderança eficaz.

Entre os sete princípios identificados nesse código, temos a Honestidade e Justiça, isto é, seja honesto com os outros e com você mesmo. Não espere a justiça de fora, ela tem que vir primeiramente de você.

Busque ser honesto com aquilo que você precisa melhorar em si próprio e tenha claro as suas intenções e valores, assim como objetivos e resultados. Como é tão bem colocado no código de honra dos samurais: esconder-se como uma tartaruga na sua carapaça, não é viver.

Esse é o princípio Heroico e Coragem, que tem como visão superar o medo de agir, de tomar decisões e ir além das limitações, que são desafios constantes no contexto empresarial. Compaixão não poderia estar de fora desse código do Bushido.

A força, o poder interior e o carisma que um samurai adquire no decorrer do seu treinamento e preparação são utilizados para a realização, principalmente do bem comum. A Sinceridade também é valorizada como princípio no código.

Quando um samurai exprime uma intenção de ter uma determinada ação, esta ação é, na pratica, já realizada. Para o código dos samurais, só existe um juiz em relação à Honra - outro importante princípio-: ele mesmo. Isso significa que o comprometimento interno com as próprias decisões e ações é grande.

O sétimo e último princípio é o dever e lealdade, uma verdadeira lição. O Samurai assume a plena responsabilidade pelas suas ações. Nesse caso, lealdade é considerada também em relação aos seus próprios objetivos, a não abandoná-los na primeira dificuldade.

Seguindo essas reflexões, podemos compreender que a base para a conquista da maestria na liderança se resume na conquista de si mesmo por meio do profundo conhecimento da própria natureza interior. Para ter excelência no externo, precisa ter maestria no interno!

* Eduardo Shinyashiki é mestre em neuropsicologia, liderança educadora e especialista em desenvolvimento das competências de liderança organizacional e pessoal.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa