Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O receio de opinar

O receio de opinar

24/09/2020 Humberto Pinho da Silva

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.

Convivi apenas com pouco mais de uma ou duas dezenas. Contudo admirava-me, que em épocas eleitorais, quando se perguntava a opinião sobre os candidatos, esquivavam-se, declarando receosos:

- “Eu cá, voto na maioria, no que vai à frente, segundo a mass-media.”

Admirava-me da atónita resposta. Vivíamos, já em plena democracia, (seria?); e em democracia, cada qual, não se deve inibir de ter opinião.

Hoje, compreendo – a idade dá-nos sabedoria, – que para vir à praça publica, e dizer, em letra de forma, o que se pensa, requer coragem – muita coragem.

Principalmente, para quem não possui protecção de poderoso, que acuda quando se é retaliado.

Eu sei, infelizmente, que muitas vezes, os dirigentes são escolhidos pelas suas ideologias, e que costumam beneficiar correligionários, e afastar os que não são da sua “capela”. Eu sei…

Em Congresso de Sociologia, realizado em Coimbra, no início do século, o sociólogo, Manuel Villaverde Cabral, defendeu a tese: que dois terços dos inqueridos, num estudo realizado em Portugal, sentiam receio de exprimirem opinião sobre governantes.

Não é, portanto, de espantar, que humildes trabalhadores, não cobertos pelo “guarda-chuva” do partido, sintam medo de serem marginalizados de futuras benesses, pelas suas ideologias.

Compreende-se, que quem vive do trabalho, ande com o “credo” na boca, para não sofrer represália, como eu sofri, por não ter cor politica.

O medo dos “poderosos”, é muito antigo. Desde tempos ancestrais, sempre houve receio dos dirigentes. Basta ler o Livro de Ester 8:17, para se verificar isso: “Os povos da terra, se fizeram judeus; porque o temor dos judeus tinha caído sobre eles”.

Esse “temor” fez que muitos monarquistas se rendessem à república e que acérrimos partidários do Estado-Novo, se refugiassem em partidos de esquerda.

Fizeram-se esquerdistas, do mesmo modo que no tempo de Ester se “ fizeram” judeus.

A frase do antigo Presidente do Município de Penalva do Castelo: “Quem está com o Governo, come; quem não está cheira”, parece estar – e sempre estará, – actual. Aqui e em toda a parte.

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.


Fatos, opiniões e a sorte da Democracia

Comecemos com uma afirmação: “verdade é aquilo que não podemos modificar”.


Homenagem a um dos maiores professores de todos os tempos

Uma das mais belas passagens da literatura universal é a descrição do jovem ateniense que pergunta ao seu mestre:


The supreme appointment e seus questionamentos

No dia 18 de setembro, a juíza da Suprema Corte dos EUA desde a década de 1990, Ruth Ginsburg, faleceu em decorrência de um câncer, deixando vago seu lugar.


Uma pandemia…

Vejam algumas das propostas que ganharam relevância na crise e que, se aprovadas, certamente auxiliarão na retomada econômica.