Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os MBLs são o Uber da política

Os MBLs são o Uber da política

11/11/2015 Carlos Nepomuceno

Hoje, vivemos uma dupla crise no Brasil e na América Latina: a crise conjuntural de um modelo bolivariano de visão política pós-ditadura totalitário, que fecha um ciclo de uma luta de centralizadores do século passado.

Os centralizadores ditos de direita contra os centralizadores ditos de esquerda, ambos sob a égide do final de um ciclo cognitivo, que tem como referência principal uma Revolução Demográfica que nos tirou de 1 para 7 bilhões de habitantes.

O momento é da descentralização que combaterá os centralizadores. Os conceitos de direita e esquerda ficaram em 1999. A outra crise é estrutural. É a chegada da Internet, que permite a reintermediação da publicação e da articulação sem a necessidades dos antigos intermediadores.

Antes do século XXI, não havia a possibilidade de um movimento de massa sem pensar nos antigos intermediadores políticos. Os movimentos de 2013 foram manifestações de forma, antes de qualquer coisa, e deixaram frutos metodológicos para os de 2015 contra o PT.

Pessoas foram para as ruas em ambos os movimentos e disseram não principalmente para os antigos intermediadores, de forma espontânea. Muitos reclamaram que não havia, em 2013, uma pauta unificadora, mas foi justamente a ausência de uma pauta unificadora, que é a característica do século XXI.

São micro-pautas unidas em torno de um sentimento geral, que devem (e ainda não são) reguladas por plataformas digitais participativas, que ainda não existem, que vão permitir um novo diálogo de massa para o fazer político.

Hoje, a comunicação cidadão-política é feita, de forma vertical, esporádica, através de representantes, que não conseguem mais processar a demanda de um cidadão empoderado de mídia. A política 3.0 já está começando e será feita de forma horizontal, o tempo todo, através de plataformas digitais participativas.

Estamos saindo da gestão da política para a curadoria política. Serão os algoritmos que nos permitirão aumentar a participação das pessoas nas decisões coletivas, através de um longo processo de aprendizado da melhor forma de programá-los.

Por fim, muitos reclamam no Brasil da passividade da nossa oposição diante dos descalabros do atual governo, mas vivemos justamente um momento de passagem. O que estamos questionando, pela ordem é:

– O PT;

– O PSDB e os outros partidos de oposição;

– E também e principalmente o atual fazer político.

Não temos nada ainda para colocar no lugar, mas os movimentos MBL, Vem para Rua e Revoltados on-line apontam o início de um novo modelo.

O próximo passo é o desenvolvimento de Plataformas Digitais Participativas, que possam, por exemplo, via algoritmos, apontar as principais demandas e escolher dias e maneiras de se fazer manifestações.

Estes movimentos, que podemos chamar de Uber da política, passam de gestores da massa a curadores da massa. O papel dos novos agentes políticos não é mais dialogar com a massa diretamente, mas criar plataformas para que o diálogo ocorra lá dentro, mediados por algoritmos.

Aprender ao longo do tempo como programar estes algoritmos para que eles possam ter a menor taxa possível de vandalismo e fraude e a maior possível de relevância, diante do que as pessoas querem a cada momento. Sim, da mesma maneira que os taxistas estão contra o Uber, a classe política não quer que os movimentos 3.0 da política cresçam.

Estão com receio legítimo de perder o lugar. Mas vão; resta saber o sofrimento que teremos até que consigamos colocar algo mais eficaz no lugar.

* Carlos Nepomuceno é especialista do Instituto Liberal, Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Federal Fluminense/IBICT Instituto Brasileiro em Ciência e Tecnologia com a tese “Macro-crises da Informação”.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.