Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

23/11/2021 Bady Curi Neto

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.

A ideia da dialética, que tem como origem o termo em grego dialektike, cujo significado consiste na arte de dialogar, debater, persuadir ou raciocinar em cima de fatos/ideias para melhor poder compreendê-los com clareza está ultrapassada, parecendo prevalecer apenas, e tão somente apenas, a opinião do politicamente correto ou aquela que mais coaduna com o entendimento da moda ou maioria.

A liberdade de expressão, tão defendida por todos, base de uma sociedade democrática, que consiste, em suma, na oportunidade de uma ou mais pessoas expressarem suas ideias sem medo de coerção ou represália, está fragilizada diante da nossa sociedade, do politicamente correto e da nossa própria política partidária.

A importância da liberdade de expressão resta consubstanciada em nossa Constituição Federal de 1988 como garantia fundamental e na Declaração Universal de Direitos Humanos em seu artigo 19 “Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão”.

Parece que a tão festejada liberdade de expressão está sendo mitigada pela corrente do Politicamente Correto.

Monteiro Lobato (1882-1948), um dos maiores autores de literatura infantil, esteve na mira do CNE (Conselho Nacional de Educação) no ano de 2010, quando um parecer do colegiado publicado no "Diário Oficial da União" sugeriu que o livro "Caçadas de Pedrinho" não fosse distribuído a escolas públicas, ou que isso seja feito com um alerta, sob a alegação de que é racista.

Mauricio Souza, notável jogador de vôlei do Minas Tênis Clube e da Seleção Brasileira, foi banido de seu clube por ter manifestado contrário a um desenho do filho do Superman beijando outro menino, com a seguinte frase, em seu Twitter; “Ah, é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar”.

O ex-presidente Lula, na ocasião da Lava Jato, teve determinada sua condução coercitiva para depoimento junto a Polícia Federal, o que entendi por abuso de autoridade.

O STF, em reiteradas decisões, tem determinado prisões e buscas e apreensões que se iniciaram no inquérito do Fake News e em outros similares, por atos antidemocráticos, os quais têm severas críticas no campo jurídico.

O dito politicamente correto, o desrespeito a dessemelhança de opiniões, a massificação de pensamentos imposta pela atual sociedade, a mitigância da liberdade de expressão tem apequenado nosso senso crítico e nosso raciocínio, o que é de todo lamentável para uma sociedade que se diz democrática.

A democracia não é apenas um regime de governo, consistindo, também, no respeito à divergência de pontos de vistas e opiniões.

Recebi, por meio de meu aplicativo WhatsApp, uma crítica humorística de um autor desconhecido, que retrata bem o ideário do Politicamente Correto, o qual reproduzo aos leitores:

“Está sendo estudada a proibição do Xadrez, por se tratar de um jogo ‘racista’: as brancas contra as pretas, onde também as brancas jogam primeiro. Existem peões que são sacrificados, típicos do capitalismo; há também um sério ‘abuso animal’ ao brincar com Cavalos em movimentos rígidos, sempre em L; e Bispos a ‘serviço’ de uma Monarquia. Como se tudo isso não bastasse, nos deparamos com uma ação deliberada do Machismo e do Patriarcado, já que a Rainha é quem mais tem que trabalhar no jogo, em benefício de um Rei que mal se move. Estamos estudando seriamente um jogo mais ‘inclusivo’! Sem falar na situação da Rainha que pode ser comida por qualquer um, incluindo o Bispo.”

Pessoalmente, nunca me tornei racista por ler Monteiro Lobato, não sou homofóbico por concordar com a opinião do ex-atleta do Minas Tênis Clube, não sou Petista ou Lulista por discordar daquela malfadada condução coercitiva do ex-presidente, assim como não sou antidemocrático por criticar posições do STF ou mesmo ter participado das manifestações de 7 de Setembro.

Na minha modesta opinião, utilizando-se da liberdade de expressão, a única maneira de combatermos os males que assolam nossa sociedade, como o racismo, a homofobia, entre outros, não é com proibição de literaturas ou perseguição por divergência de opiniões, mas com educação e, principalmente, com respeito a dignidade humana, que deveria ser uma matéria obrigatória das grades escolares para uma melhor formação humanística dos nossos futuros cidadãos.

Não somos gados para seguir um único berrante, somos seres pensantes, racionais, podendo e devendo divergir de opiniões, sem sermos rotulados e retaliados, sob pena de criarmos uma nova “fobia” social, o “raciocíciniofobia”.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre direitos humanos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.