Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Previdência e produtividade

Previdência e produtividade

22/05/2017 Cesar Silva

A improdutividade do brasileiro supera em muito o problema da estrutura da Previdência.

Com 67,6% de seus 200 milhões de habitantes em idade ativa (15 a 64 anos), o país passa pelo chamado bônus demográfico, estágio em que a estrutura etária da população, composta majoritariamente por pessoas aptas ao trabalho, contribui para a expansão do PIB.

Porém, o que seria uma oportunidade tende a se tornar um grande problema. Sem o devido processo de formação e de capacitação para a produção eficiente, há um grande volume populacional improdutivo, com baixa capacidade de geração de renda, que imporá um elevado custo ao Estado quando for se aposentar.

A improdutividade do brasileiro supera em muito o problema da estrutura da Previdência, que tem apresentado um rombo crescente: os gastos passaram de 0,3% do PIB em 1997 para 2,3% em 2016 e são projetados em 2,7% neste ano, valor estimado em R$ 181,2 bilhões.

Por mais que se debata a necessidade da Reforma da Previdência, problemas estruturais, que reduziriam o elevado déficit, ficam de lado. A falta de qualificação do trabalhador é um dos principais.

Enquanto nos Estados Unidos se requer apenas um trabalhador fabricar determinado produto, no Brasil, precisa-se de quatro pessoas, segundo levantamento do Conference Board, compilado pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Esta situação, aliada à crise econômica, piora muito as perspectivas de qualidade de vida quando se chega à idade da aposentadoria.

É preciso lembrar que a produtividade está ligada à capacidade de crescimento, geração de riqueza e qualidade de vida de uma economia. Porém, enquanto se debate a necessidade da Reforma da Previdência, não existe o menor esforço para ampliar a capacidade produtiva dos milhões de jovens que se afastam da educação formal e se tornam atores produtivos ineficientes.

Não é de se estranhar que o governo queira que nos aposentemos mais tarde. Ampliar a capacidade produtiva exige uma melhor capacitação técnica dos brasileiros, o que depende de vontade política e foco, o que não se observa atualmente. Mais de 50% das vagas de Educação Superior ofertadas não são preenchidas.

A evasão média dos programas de Educação para Jovens e Adultos supera 80%. Ainda assusta o fato de que mais de 33% dos jovens não concluem Ensino Médio porque não se identificam com os conteúdos desenvolvidos e não há contextualização para o mundo do trabalho.

Nota-se a necessidade de oferta de uma formação mais técnica, que se aproxime do mercado de trabalho. No entanto, três anos após ser formatado em lei, o Plano Nacional de Educação não é sequer registrado como linha de ação do Ministério da Educação.

Dentre suas principais metas destacam-se três: meta 12, de Ampliação do Acesso ao Ensino Superior; Meta 10, de Ampliação dos Programas de Educação para Jovens e Adultos com Profissionalização; e a Meta 11, de Ampliação da Educação Profissional.

São as três que sustentam a formação e capacidade de produção mais imediata para o país. Sem desprezo, as outras 17 se voltam ao ciclo normal e são estruturais. Melhor discutir a inovação aplicada à educação para a produtividade do que discutir a Reforma da Previdência.

O maior dos males é não tratar a causa e sim os efeitos, isto é ciência, isto é saber, isto é aplicação do conhecimento.

* Cesar Silva é presidente da Fundação FAT, entidade sem fins lucrativos que atua no desenvolvimento de cursos técnicos e profissionalizantes.



LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.