Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Qual será o papel da indústria automotiva no futuro

Qual será o papel da indústria automotiva no futuro

27/11/2017 Valter Pieracciani

A importância de se reinventar diante das mudanças socioculturais e das novas tecnologias.

Qual será o papel da indústria automotiva no futuro

É ao mesmo tempo doloroso e instigante constatar que a indústria de automóveis, uma das mais importantes da história, precise se reinventar. Sofre múltiplas ameaças o berço de relevantes avanços da gestão e, consequentemente, do desenvolvimento da sociedade.

Mudanças socioculturais, novas tecnologias e soluções eletrônicas de baixo custo colocam em xeque o automóvel e o que ele sempre representou para muitos de nós. Em agosto, aconteceu em São Francisco, na Califórnia, o Singularity University Global Summit 2017, evento que reuniu cerca de 1.500 dos maiores líderes e estudiosos de inovação do mundo.

A Singularity University é um polo promotor de inovação e de mudanças globais. Entre seus patrocinadores estão Google e NASA. Trata-se de uma escola diferente daquelas em que eu, e provavelmente você, leitor, estudamos.

De maneira inovadora, a instituição trabalha para acelerar o desenvolvimento de líderes e empreendedores que resolverão os problemas do mundo fazendo uso de tecnologias exponenciais, aquelas que proporcionam crescimento vertiginoso de empresas e negócios. Alguns exemplos: inteligência artificial, nanotecnologia, robótica e biologia digital.

Duas dentre as muitas lições que se pode extrair do evento falam diretamente, a meu ver, com a reinvenção da indústria automotiva. Como pesquisador no campo da inovação, sugiro que olhemos para elas na busca por caminhos que nos levem a encontrar um novo significado para o automóvel.

São dois conceitos expressos pelo craque da inovação Peter Diamandis, co-fundador e chairman da Singularity University:

- "O que antes era atribuição do governo, atualmente empresas podem fazer. O que antes era algo reservado às empresas, atualmente qualquer pessoa pode fazer."

Com o avanço da tecnologia, nossa capacidade de liderar mudanças e nosso alcance estão se ampliando. Somos muito mais poderosos do que nossos pais e avós no que se refere ao impacto que podemos causar em nossa comunidade e, por que não, no mundo. As possibilidades e transformações se tornaram mais rápidas.

Quase não existe limite ao que podemos imaginar e fazer. Nos tornamos todos super-homens capazes de realizar o que no passado eram apenas sonhos presentes em desenhos animados.

Se tínhamos a ideia de que transporte de massa é foco do setor público, que fabricar automóveis é coisa da indústria organizada e que carros dizem respeito à propriedade e a indivíduos, estávamos bem enganados....

"A tecnologia nos torna mais inteligentes"

A inteligência artificial saiu do campo conceitual e está sendo aplicada diretamente em soluções concretas, como na medicina. Por meio de enormes bancos de dados e máquinas capazes de processar sofisticados algoritmos em nanossegundos é possível fazer diagnósticos, disparar comandos, identificar mudanças de comportamento e alavancar centenas de vezes a produtividade.

Em alguns serviços e rotinas de nosso dia a dia, já não sabemos mais ao certo se estamos interagindo com máquinas ou seres humanos. Como no filme Ela (2014), de Spike Jonze, no qual Theodore, um escritor solitário, desenvolve uma relação especial com o novo sistema operacional do seu computador e acaba se apaixonando por uma entidade intuitiva e sensível chamada Samantha que era, na verdade, apenas a voz do programa.

Uma verdadeira explosão de redes e sensores nos tornará parte de algo muito maior. Ainda não sabemos bem o que será, mas já intuímos que superará a nossa mera dimensão de indivíduos. A previsão é que haja 5 bilhões de mentes se conectando nos próximos anos. Saberemos de tudo, a qualquer hora e em qualquer lugar.

Diante de transformações tão importantes, é bom que nos perguntemos: Como vamos nos deslocar? Dentro de que tipo de veículo? Com qual nível de interação? E, principalmente, que papel restará nessa nova realidade aos automóveis que construímos hoje? Enquanto não encontramos as respostas, podemos ir pensando em dotar nossos veículos de sons e sensações capazes de despertar paixões em seus usuários.

Criar verdadeiros elos entre os proprietários e as nossas "Samanthas", fortes o suficiente para que não consigam viver sem elas. Justificando, talvez agora e em uma nova escala, a máxima de que brasileiros são apaixonados por carros.

* Valter Pieracciani é sócio-diretor da Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, engenheiro, administrador, mestre em administração de empresas e pós-graduado em administração industrial.



Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?


Um novo normal essencial; um velho normal desejado

Ver sorrisos, estar dentro de abraços, realizar eventos e trazer alegria…


Criptomoedas: O dinheiro do futuro ou o futuro do dinheiro?

Seja qual for futuro dos meios de pagamento, fato é: não podemos desprezar que as criptomoedas mudaram a maneira com que nos relacionamos com o dinheiro.


A polêmica nota de R$200,00

No dia 29 de julho de 2020, foi anunciado pelo Banco Central (BACEN) que, em agosto, será colocada em circulação a nota de R$200,00, que incorporará a imagem do lobo-guará.


Recalibrando sua estratégia de prevenção de fraudes para a nova realidade

Tal qual um automóvel, a detecção de transações criminosas em uma organização deve passar por revisões periódicas para aumentar sua eficiência.


Em tempos de pandemia, gestão de pessoas não é conversa, é ciência

Sou um curioso da gestão de pessoas. Ao longo desses anos como gestor, aprendi muito com os profissionais de recursos humanos com quem tive a honra de trabalhar.


Combatendo a violência contra a mulher

Na pandemia, houve o triste aumento de casos de violência contra a mulher.


Economia mais digital do que nunca

Pesquisas realizadas nos últimos meses apontam que o consumo em e-commerce cresceu mais de 40% desde o início da quarentena no Brasil.


O que será o Novo Normal?

Tem gente louca para voltar. E outros em pânico só de pensar em retornar.


A linha nada tênue entre liberdade de expressão e fake news

No longínquo 2008, quando, em meio a um enorme debate sobre a obrigatoriedade ou não de se ter um diploma para o exercício da prática jornalística, comecei a minha graduação, não existia o termo ‘fake news’, tão popularizado atualmente no Brasil e no mundo.


Não se educa calando

Estudei no colégio militar de Fortaleza, entre 1975 e 1981. Antes, fiz o Fundamental I na escola municipal Jenny Gomes, no bairro Aerolândia.


Pai todos os dias

Mais um Dia dos Pais se aproximando e isso deixa mais vivo na memória que minha filharada está tão longe, que a casa está vazia e isso dá uma saudade danada.