Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Que saudades de gritar “gol” no estádio

Que saudades de gritar “gol” no estádio

25/09/2020 Alysson Siqueira

A maior lacuna que a ausência de público deixa no espetáculo futebolístico é a sonora.

Que saudades de gritar “gol” no estádio

Os campeonatos de futebol no Brasil voltaram antes do coronavírus ir embora e, por conta disso, os jogos estão acontecendo sem a presença da torcida. Desde então, algumas medidas estão sendo tomadas pelos clubes para suprir essa lacuna da falta de público nos espetáculos futebolísticos. No aspecto visual, os estádios têm recebido faixas e bandeiras das torcidas organizadas que preenchem alguns vazios da arquibancada. Alguns clubes adotaram a prática de posicionar fotos de seus torcedores em determinados setores do estádio, compondo a imagem de uma torcida inanimada, embora composta de rostos que poderiam realmente estar presentes caso o evento esportivo pudesse receber o público.

Mas a maior lacuna que a ausência de público deixa no espetáculo futebolístico é a sonora. O compositor e professor canadense, Murray Schafer, inaugurou um conceito bastante difundido na musicologia atualmente: o de paisagem sonora. A analogia com o aspecto visual faz do termo praticamente autoexplicativo, e podemos usá-lo para retratar a situação sonora atual dos eventos futebolísticos: a paisagem sonora do futebol não é mais a mesma. Os gritos e falas dos jogadores, treinadores e árbitros, o som da chuteira golpeando a bola, o som da bola percorrendo a rede, tudo isso já compunha a paisagem sonora do futebol, mas em um plano secundário. No plano principal, soava o murmúrio constante do público presente, os cantos de apoio e protesto da torcida organizada, os aplausos, as vaias, os “uhs” daqueles chutes que quase acertaram o alvo e a explosão sonora do momento máximo do futebol: o gol! E como é bom gritar “gol” no estádio!

Não demorou muito para as primeiras tentativas de preencher a lacuna sonora do espetáculo surgirem. Em geral, os clubes têm utilizado gravações de sua própria torcida de jogos passados. O problema de se utilizar apenas os sons constantes da torcida é que muitas vezes os sons não condizem com a jogada que se desenvolve em campo. Para minimizar essa situação, alguns DJs passaram a operar o som dos estádios vazios. Agora, ao mesmo tempo em que a paisagem sonora constante dos estádios soa, o DJ pode dar “play” em pequenos recortes sonoros, chamados samples, com os cantos da torcida, aplausos, vaias, e “uhs” e até mesmo aquela explosão do gol! E que saudades de gritar “gol” no estádio!

Tudo isso que visa recriar a paisagem sonora do evento esportivo, talvez funcione melhor para o telespectador que para o jogador. Não é à toa que se chama a torcida de décimo segundo jogador. Ela reage em tempo real aos movimentos do atleta - e o jogador, por sua vez, tem sua motivação afetada pelas reações dos torcedores. É um processo de retroalimentação que nenhuma recriação artificial da paisagem sonora futebolística é capaz de substituir. As reações naturais e em tempo real da massa de torcedores são imprevisíveis e únicas a cada jogada. O som que sai dos alto falantes é apenas uma projeção daquele que é composto pela soma de milhares de vozes cantando em uníssono para empurrar o time para o ataque. E o jogador, nesses estádios vazios, é aquele ouvinte que dança elegantemente ao som de gravações e não aquele fã que pula, grita e canta em total entrega no show do seu artista favorito.

Dizem que o futebol da pandemia anda meio monótono. Será por falta dos tons da torcida? Ah, que saudades de gritar “gol” no estádio!

Texto: Alysson Siqueira - mestre em Música e professor da Área de Linguagens Corporal e Cultural do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1



O Judiciário e o muro cinzento

O Poder Judiciário, para mim, sempre foi uma instituição solene, respeitável e guardiã intransigente da Constituição e das leis.


Apagaram-se as luzes, perdi o show

Meu pai só gostava de músicas sertanejas, mas quando o cantor Roberto Leal aparecia na TV, ele me chamava para assisti-lo e ficava ouvindo junto.


O mundo mudou, e o Secretariado também

Sou do tempo em que se fazia curso de datilografia.


O “descanso” no treinamento esportivo de alto rendimento

A notícia da necessidade de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus caiu como uma bomba no universo do esporte de alto rendimento.


A indústria do plástico e as cooperativas de reciclagem

Fechando o ciclo da economia circular.


O impacto da IoT na Engenharia de Produção

Desde a apresentação do conceito da Indústria 4.0 em 2011 na feira de Hannover, houve grande aceleração tecnológica em diversas áreas do conhecimento.


O novo normal da saúde é entender o poder das pessoas

Coletividade. Talvez essa seja a principal arma para lidarmos com a pandemia.


Nossos direitos vêm

Mais recentemente, quando atuei num júri onde os fatos apurados aconteceram na comunidade Fábio Alves, sediada no Barreiro, em Belo Horizonte, veio-me forte a memória do amigo e mestre professor Fábio Alves dos Santos.


A fome tem pressa

Dezesseis de outubro, Dia Mundial contra a Fome.


Como sair do isolamento sem colocar a vida dos condôminos em risco?

A pandemia do novo coronavírus tem nos obrigado a adotar novos parâmetros e limites para a vida em sociedade, para que assim possamos frear a velocidade de contágio pelo vírus.


Mudança cultural é o fator mais importante para a transformação digital nas empresas

A pandemia do coronavírus obrigou as empresas a lidarem com profundas mudanças e trouxe a necessidade de colocar em prática a digitalização dos negócios.


Síndrome do medo

Medo e insegurança são duas realidades que caminham juntas e se tornaram amigas do povo brasileiro.