Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Segurança para estrangeiros, violência para brasileiros

Segurança para estrangeiros, violência para brasileiros

03/08/2016 Bady Curi Neto

Devemos cobrar medidas austeras de prevenção e repressão à criminalidade não apenas durante os grandes eventos.

Todas às vezes que um fato que causa repugnância à população começa a se tornar corriqueiro tende a deixar de ser repulsivo para se tornar habitual à vida social.

Isto tem ocorrido com a violência que assola o país. Os jornais, as redes sociais têm mostrado diuturnamente cenas de violência como assaltos, homicídios, estupros, trocas de tiros e etc., que outrora seria repulsivo, hoje a indignação é momentânea.

Para este estado de violência sempre procuramos as causas: impunidade, excesso carcerário, falta de escolaridade, educação, dentre outras. Não restam dúvidas de que a escolaridade e a educação de uma nação tendem a diminuir a criminalidade, mas para que ocorra, é necessário um investimento maciço nestas áreas e tempo de gerações para a formação das pessoas.

A impunidade e o excesso carcerário são uma realidade, mas não há de permitir que minorias que cometem crimes coloquem em risco a vida da população obreira. Infelizmente, enquanto não se tem um sistema carcerário que permita a reintegração do criminoso à sociedade, deve-se segregá-los da vida social, minimizando a possibilidade de reincidência criminosa. Hoje vivemos a inversão de valores.

A palavra de um delinquente vale mais do que a da autoridade policial. Acusações de tortura física ou psicológica, excesso ou abuso de autoridade têm uma repercussão maior do que o crime cometido pelo infrator. Não se está, por óbvio, a justificar desvios de conduta, mas a Polícia Repressiva não pode ficar refém de bandidos.

Se houve troca de tiros que morra o bandido e não o policial que está desempenhando a sua função, o seu trabalho árduo de alta periculosidade, com salários, geralmente, incompatíveis com a profissão. Apesar de defensor dos Direitos Humanos, vejo que algumas pessoas que militam a seu favor estão com uma visão distorcida.

Nunca vi um trabalho sério a favor das vítimas, sempre visam a defesa do criminoso, causando uma desproporcionalidade que vem tornando diminuta sua importância aos olhos da sociedade em geral. Para se ter uma ideia do grau de violência em que vivemos, o Brasil ocupa a 11ª maior taxa de homicídios, segundo relatório com 194 países divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), órgão ligado à ONU, no ano de 2014.

Importante frisar que o relatório trata apenas de homicídios, desconsiderando outros tipos penais. O excesso de leniência com indivíduos que cometem crimes contra a vida, tem permitido ao Brasil ocupar a vexatória posição supra, tornando nosso país um dos mais inseguros para se viver.

A realidade é que vivemos uma guerra civil entre bandidos e a sociedade, a exemplo da luta contra o tráfico nos morros cariocas, onde os confrontos entre a polícia e traficantes se dão com fuzis a quilômetros de distância. Não podemos perder a indignação e a repulsa com a violência.

Devemos cobrar medidas austeras de prevenção e repressão à criminalidade não apenas durante os grandes eventos como a Conferência Rio-92 da ONU, Copa do Mundo e as Olimpíadas, mas durante todo o ano, sem banalizá-la e julgá-la como simples fato do cotidiano.

Se nestas ocasiões há diminuição de criminalidade, visando receber os estrangeiros, há como se fazer um país mais seguro para os brasileiros.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa