Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sobre o Destino

Sobre o Destino

09/12/2023 Daniel Medeiros

No filme “About Fate”, o rapaz entra na casa errada e dorme na cama da mocinha, que o surpreende e pensa que ele é um ladrão. Mas então, várias coincidências se revelam.

Eles se reconhecem da noite anterior, pois estavam no mesmo restaurante, ele pedindo a namorada em casamento, ela esperando que o namorado a pedisse.

Além disso, ambos amam gatos e têm um pôster do filme “Bonequinha de luxo” pendurado na sala. Bom, nem precisa dizer que a história se alonga com novas coincidências até que o inevitável fim se revela: eles ficam juntos e "serão felizes para sempre".

Não é de hoje que as coincidências são tratadas como algo místico e com força decisória para muita gente. “Não acredito em coincidência”, dizem alguns.

“Foi uma coisa mágica: era impossível que tudo o que aconteceu fosse simples acaso”, afirmam outros, para justificar suas decisões.

Lógico que ninguém pensa nas inúmeras vezes nas quais as coincidências simplesmente não ocorreram, o que, diga-se de passagem, é a regra e não a exceção.

Mas quando acontece de você estar naquele exato momento, naquele exato lugar e encontra aquela pessoa, ah, diga-me, qual é a possibilidade disso acontecer do jeito que aconteceu?

Ora, há uma simples resposta matemática para isso, mas quem liga? O destino, esse danado, é quem tem a razão.

Nosso cérebro é muito eficaz em garantir a nossa sobrevivência mas, para isso, teve de aprender a decidir rápido e, para decidir rápido, teve de aprender a pegar atalhos cognitivos. É o que os especialistas chamam de “vieses cognitivos”. 

A gente toma atitudes achando que é a melhor decisão, quando, na verdade, é o nosso cérebro livrando-se do problema imediato, gastando pouca energia e liberando-se para cuidar do próximo "tigre de dentes de sabre" que deve estar logo ali na esquina.

O que chamamos de destino, isto é, a associação de fatos aleatórios em uma narrativa aparentemente coerente e justificadora de nossas decisões, não passa de um desses vieses.

Muitas amizades, muitos negócios, muitas viagens, muitos casamentos foram sacramentados por causa do nosso cérebro apressadinho e super protetor. Depois, o que resta é repetir a história para nós mesmos, muitas vezes, até acreditarmos nela.

Afinal, teremos de explicar por que resolvemos casar com aquela pessoa que conhecemos há apenas três semanas ou por que admitimos como sócio do negócio aquele cidadão com o qual esbarramos em uma saída de show.

Rubem Alves, que foi professor de Filosofia da Ciência na Unicamp, conta em um de seus livros sobre o espanto que seria para qualquer um de nós entrar em um supermercado e receber um prêmio por ser o cliente número 7693.

Certamente a curiosidade seria maior do que a alegria: “mas por que me dar um prêmio por eu ser o cliente 7693?”.

No entanto, se o prêmio fosse por sermos o cliente número 10 mil, não haveria espanto nenhum, só a alegria e mais um reforço do viés cognitivo: “sou mesmo um cara de sorte. E olha que eu nem tinha intenção de entrar no superme".

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

Para mais informações sobre coincidências clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Central Press



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa