Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Sorte ou educação: qual resolve crise?

Sorte ou educação: qual resolve crise?

21/03/2015 Silvio Bianchi

Os noticiários, jornais e revistas não param de mencionar esta palavra: crise. E ela atinge inúmeros setores do país: política, gestão de empresas públicas, dentre outros, assim como os recursos hídricos, energéticos e, também, os financeiros.

Procurei algum elemento em comum para todas essas crises e, na minha opinião, se gasta (consome) além do que se gera. Se consome mais credibilidade do que se gera. É assim com a maioria dos recursos disponíveis: dinheiro, água, energia e demais recursos naturais. Ao consumir mais do que se gera, o resultado é inevitável: escassez, falta do recurso “x”, crise. E parece que não existem responsáveis por isto. Parece que os recursos que tínhamos à disposição sumiram, desapareceram sem razão nenhuma.

Só no momento de nos deparar com a falta de algum recurso é que começamos a procurar responsáveis (é muito importante achar um culpado) e a torcer por soluções mágicas, tais como a “dança da chuva” para resolver a seca. Ambas as situações têm algo em comum, o problema foi gerado por outros (os culpados) e alguém terá que resolver (eu sou vítima da situação). Aguardar por essas “soluções mágicas” parece ser o mais natural, pois “Deus é Brasileiro” e “Eu Mereço”.

Para todos os casos, a solução mágica é uma espécie de “tsunami de recursos” que nos permitirá continuar fazendo as coisas do mesmo jeito. Assim, a festa continua! Porém, estas soluções não são sustentáveis, pois estão sempre fora do nosso controle. Imaginem, por exemplo, uma pessoa que gasta mais dinheiro do que ganha. Todo esse dinheiro que gasta a mais precisa vir de algum lugar, que tem um nome: crédito (endividamento). Esse endividamento continuado leva à inadimplência, ao esgotamento do recurso dinheiro.

Pensemos no que está acontecendo nesses momentos no Estado de São Paulo, com o recurso da água. O consumo supera a entrada de água nos reservatórios e, portanto, eles estão secando. E nem que funcione a dança da chuva, essa espécie de "Mega-Sena/Lotomania natural” ou qualquer outro jogo de azar “natural”, se poderá resolver a situação a curto prazo. Comportamentos e hábitos diferentes serão a solução de médio e longo prazo. No curto prazo, reduzir o consumo ao mínimo possível será a única forma de reverter o problema e fazer com que a quantidade de água que entra nos reservatórios seja maior do que a que se consome.

A educação financeira, que trabalha de maneira comportamental, é uma grande ferramenta para ajudar a criar esses novos hábitos. Baseando-se em objetivos específicos de curto, médio e longo prazo, a pessoa fará o exercício de identificar quanto ganha líquido e em que está gastando, para pôr as “mãos na massa” e fazer seu orçamento que privilegie seus objetivos (sonhos) e poupar, gastar menos em todos aqueles itens que for possível, para poder alcançar esses sonhos.

Esta “receita comportamental” funciona para gerir qualquer recurso, seja credibilidade, os recursos de uma empresa, recursos pessoais ou recursos naturais. Nós somos os únicos responsáveis por administrar nossos recursos, assim como de administrar aqueles recursos que dividimos com outras pessoas. As crises nos ajudam a parar para repensar nossos hábitos, mudar aqueles que não estão nos ajudando a alcançar nossos objetivos e seguir em frente.

*Silvio Bianchi é Master Coach, Coach Financeiro, Pós Graduado em Educação Financeira e Educador Financeiro DSOP.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.