Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Todos querem ser ricos…

Todos querem ser ricos…

12/08/2019 Humberto Pinho da Silva

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.

Esta manhã, ao passar pela tabacaria de Centro Comercial, da Rua de Santa Catarina (Porto,) deparei com larga fila de clientes, que esperavam, pacientemente, para registarem o boletim, que os habilitaria – pelo menos assim esperavam, – ao fabuloso prêmio do “Euro milhões”.

Admiro-me que haja tantos candidatos a milionário…. Admiro-me, porque quase todos (assim penso,) dizem detestar os ricos…

Ao presenciar esse mar de gente, que procura, na sorte, tornar-se milionário, lembrei-me da curiosa historieta, narrada, em verso, por Sá de Miranda:

Em carta, a seu irmão Mem de Sá, o nosso clássico, conta a história de dois ratinhos: um vive, com fartura, na cidade; outro, modestamente, no campo.

O rato da cidade, certa vez, foi passear pelo campo, mas distraiu-se, e fez-se noite. Receoso de regressar, na escuridão, resolveu pedir abrigo a ratinho pobre, que vivia na aldeia.

O ratinho deu-lhe guarita e comida, e após parca ceia, foram aquecer-se, à lareira. O rato da cidade, contou-lhe, que lá na sua casa, havia: comida em abundância, de boa qualidade, e também boa cama.

Como recompensa da hospitalidade, convidou-o a ir visitá-lo. O ratinho aceitou a gentileza. Comeu do bom e do melhor, e adormeceu, sobre felpudo e fofo tapete.

Mas, por sua desdita, os criados e os cães, da casa viram-no… O pobre ratinho não teve outro remédio, se não fugir à Vila Diogo, para o buraquinho, dizendo amargurado para o anfitrião:

Minha segura pobreza,

Se chegarei a ver quando

A vos torne? E esta riqueza,

Mal que tanto o mundo preza,

Fuja (se poder) voando?

Ai baldias esperanças!

Que tal temos das abastanças?

La guardai vossas mostranças,

Deus me torne ao meu buraco!

Carta VII; a Mem de Sá. In: “Poesias”

Lelo – Porto – 1928

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos…

A verdadeira felicidade e riqueza, resume-se nisso: levar vida simples, e sentir-se feliz com o que se tem…

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.