Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um bom profissional não se faz só com teorias e técnica

Um bom profissional não se faz só com teorias e técnica

21/10/2016 Dulce Braz

Não só as competências técnicas e o conhecimento são suficientes para o nosso sucesso profissional.

O autoconhecimento e as inteligências emocionais e sociais têm-se revelado de grande importância nas relações, sejam elas, profissionais ou pessoais.

Autoconhecimento e autocontrole emocional, duas competências importantíssimas nas nossas vidas. Nos conhecer profundamente e entender como funcionamos, como nos percebemos em diversos contextos, nos ajuda a passar pelos momentos de desafios e adversidades com mais segurança.

E, não só nos conhecer, mas termos o controle das nossas emoções, perceber quando elas surgem, o gatilho que as libera e entender como negociar com elas para não nos mantermos seus reféns ou suas vítimas. Há, em nós, um “eu observador” de nós mesmos nas situações, que, se estiver consciente, pode conversar e negociar com as percepções e emoções que vão surgindo enquanto nos relacionamos com o mundo.

Esse “eu, sábio”, quando caminha na conquista da maturidade emocional somente pode ser desenvolvido com o exercício do autoconhecimento, da reflexão/meditação, da auto percepção, autodesenvolvimento pessoal/profissional, do investimento em si próprio.

Saber quais são nossas fraquezas, fortalezas, nossos diferenciais e os recursos que podemos acessar em nosso auxílio nos dá primazia em relação a um outro sujeito que se deixa perder num novelo de emoções. E, como isso se revela nas relações profissionais?

No desacerto, na inadequação comportamental, na não assertividade positiva das comunicações, nos tantos momentos em que engolimos “os sapos”, ou que não sabemos dizer não. Nas situações em que, por medo de errar, ou por nos fazermos reféns da invasão de pensamentos de auto sabotagem, fraquejamos; nos contextos em que nos sentimos menores ou incapazes em relação a um outro; em momentos em que permitimos que o medo tome espaço nos fazendo perdedores quando poderíamos nos colocar em nosso favor ou da causa em pauta.

Investimento em nós mesmos, não só técnico, não só no exterior. O mundo que move as relações é um mundo a ser descoberto e domesticado em nosso favor e das boas e promissoras relações.

* Dulce Braz é psicóloga e Coaching - Assessment na Leaders Outplacement Transição de Carreiras.



Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.


O lavrador, e o filho Doutor

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.


Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O custo fiscal sempre é objeto de discussão, críticas e polêmicas.


O que o Brasil precisa

Todos os brasileiros hoje estão preocupados com os destinos do Brasil.


Cadeirinha: por que a segurança infantil não pode ser item opcional?

Proteger as crianças pequenas e a infância é uma responsabilidade de todos nós


O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

O processo de consolidação do chamado Capital de Risco (Venture Capital) é uma realidade cada vez mais evidente no ecossistema empreendedor brasileiro.