Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma carta à Elon Musk

Uma carta à Elon Musk

28/04/2022 Daniel Schnaider

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.

Segundo o bilionário, o direito a liberdade de expressão absolutista deve imperar. Eu o parabenizo.

Aliás, de fato o pilar da democracia é a liberdade de expressão, no entanto ressalto que embora eu não negue o direito de expressão que você defende, é preciso ter a consciência de que uma mentira quando compartilhada nas redes milhões de vezes, pode sim ser comparada a uma verdade criando uma disrupção social e que ameaça a própria democracia que você busca defender.

Fake news ameaçam a ordem democrática, liberal dando poderio às pessoas populistas e dispostas a gerar confrontos desnecessários.

Se sua ideia é criar um algoritmo aberto para o Twitter, sugiro elaborar uma premiação mundial em que as pessoas possam criar o algoritmo mais justo para as informações serem replicadas. Como a Netflix fez há algum tempo ao buscar o melhor algoritmo para recomendação de novas séries e filmes.

Neste ponto, o importante é você encontrar aquela que vá garantir a veracidade e qualidade da informação, para que discursos de ódio sejam banidos. Inclusive, o concurso pode servir como base científica para faculdades e estudantes.

É do direito de qualquer indivíduo compartilhar suas ideias e convenhamos que a liberdade de expressão e a violência não são essencialmente um dilema das redes sociais.

Afinal, racistas, extremistas e misóginos coexistem conosco desde que aprendemos a nos comunicar, o problema é que a tecnologia deu a eles amplitudes estratosféricas.

Multiplicou a potência da comunicação aos grupos desinformados e obscuros que com uma boa dose de valentia proporcionada pelo anonimato, não se importam com a veracidade.

Mas apesar da falta de balanço na distribuição de informações, há de se ressaltar que grupos antes esquecidos, excluídos e sem voz ganharam força dentro do mesmo universo.

Então como manter os bons resultados e excluir as falhas das redes? Com filtros, censura, equalização e a qualidade das informações compartilhadas.

Um estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts cita que as notícias falsas se espalham 70% mais rápido do que as verdadeiras. Ou seja, a internet é um ambiente propício aos malfeitores.

O que antes era limitado na imprensa secular, por um controle de sistema de comunicação em massa, com editores e profissionais qualificados que tinham o poder de filtrar as publicações, mesmo que de forma tendenciosa, atualmente tornou-se a livre demanda de opiniões.

Talvez uma das soluções passíveis seja diminuir a velocidade em que as informações são compartilhadas, com mais tempo para análise de categoria e veracidade, menos pessoas seriam impactadas pelas falhas.

Pois, perceba que os leitores dos maiores veículos, atualmente não são apenas espectadores, são seguidores e comunicadores.

Influenciadores possuem o mesmo alcance de divulgação que um jornal. Ou seja, cada indivíduo torna-se dentro do seu meio um veículo de comunicação em potencial.

 A introdução de novas tecnologias traz momentos ruins, é uma parte infeliz da evolução humana, mas há recompensas, como tecnologias militares que deram origem a soluções na área da saúde, por exemplo.

Ou mesmo o GPS e a internet, alicerce da telemetria hoje utilizado por empresas para salvar vidas, manter empresas e monitorar cargas preciosas, como exemplo as vacinas, que é elaborado com base em satélites militares do Ministério da Defesa Americano e a Internet inventado pela DARPA (unidade de pesquisa militar).

E neste contexto, das redes sociais, a comunicação e interação em massa funcionam para propagar campanhas de saúde, e os mais diversos alertas à população.

Diante de tantas codificações e algoritmos, não é possível não conseguirmos construir um ambiente seguro nos meios de comunicação social.

O uso indiscriminado das redes por pessoas que não só expõe a si mesmo, mas aos outros também, seja pelo lado profissional, pessoal ou ideológico, é um problema de todos. Mas o debate tem que ser estabelecido em soluções.

Acredito que você, Elon Musk, pode se propor a criar um ambiente que permite a dissipação de informações, ou mesmo de opiniões, com um mecanismo que exponha a veracidade de cada textão, post, meme ou matéria compartilhada, mesmo que contenham brincadeiras e opiniões. A tecnologia pode nos dizer qual o cunho de cada postagem.

Da mesma forma que filmes e aparelhos têm conteúdo com ampla classificação, assim o post deve ter seu selo de qualidade ou a falta dele.

E ainda que tenhamos essa conquista, ressalto que não há substituto a uma boa educação, onde uma base de conhecimento sustentadas pela dúvida, curiosidade e a lógica sejam construídas.

Não é uma questão de censura à liberdade de expressão, mas sim a luta pelo direito à veracidade que é um alicerce para o bom funcionamento da sociedade e a democracia.

* Daniel Schnaider é CEO da Pointer By PowerFleet Brasil, líder mundial em soluções de IoT para redução de custo, prevenção de acidentes e roubos em frotas.

Para mais informações sobre fake news clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Enxame de Comunicação



Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.