Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Uma solução para a depressão e o suicídio

Uma solução para a depressão e o suicídio

22/08/2014 Leide Lessa

“Não importa o que as pessoas digam. As palavras e as ideias podem mudar o mundo”. Robin Williams, no filme A Sociedade dos Poetas Mortos (1989).

A poesia, o ensino aos jovens e o desafio às ideias conservadoras me fascinam, por isso fui ao cinema ver esse filme assim que chegou às telas de cinema, quando ainda estudava letras na Universidade de São Paulo. Hoje, mais do que nunca, sinto e acredito no poder das palavras e das ideias para mudar o mundo para melhor, para proporcionar mais saúde mental, emocional e física.

No caso da saúde emocional, muitas vezes não é fácil ser jovem e seguir uma carreira sem o apoio da família, como foi o caso de Robin Williams, cujo pai como alto executivo não acreditou que o filho poderia sobreviver como ator. Outras vezes, é difícil vencer os pensamentos depressivos que dizem que não somos suficientemente qualificados para estudar, trabalhar ou até mesmo para viver. Nos últimos dias, pessoas se perguntaram ao redor do mundo: Como alguém tão bem sucedido como Robin Williams pôde se sentir deprimido?

Entretanto, anualmente, quase 1 milhão de pessoas tentam se suicidar e a Organização Mundial da Saúde diz que a depressão afeta mais de 350 milhões de pessoas, ou seja 5% da população mundial. Por isso, alguém ao nosso lado pode sofrer de depressão sem nos apercebermos. Muitos não aguentam os pensamentos negativos e recorrem ao álcool ou às drogas, com a esperança de “esquecer” os problemas.

Ao se tornarem dependentes, porém, fica mais difícil abandonar o vício, principalmente, quando não se conhece o mais eficiente dos agentes: o Amor divino. Só esse Amor que ama incondicionalmente, que está presente a todo momento e fala à consciência para salvar, consolar e curar, pode nos guiar a encontrar uma vida com propósito e livre de maus pensamentos. Eu vivi tudo isso. Durante a adolescência e juventude, eu não tinha “problemas”.

Mas os pensamentos suicidas, que vinham como consequência da autocondenação, baixa autoestima e inferioridade, não me deixavam. Hoje tenho una explicação do porquê estou viva: “Aquele que … domina suas crenças mortais, a animalidade e o ódio, rejubila-se com a prova da cura, o senso doce e seguro de que Deus é o Amor”, como o diz Mary Baker Eddy no livro Ciência e Saúde.

Já na pré-adolescência, eu aceitava e entendia que Deus é Amor e por isso ama e protege Seus filhos, e isso me ajudou a dominar os pensamentos ilógicos e irracionais de suicídio, até que finalmente, com ajuda e consagração espirituais, eles desapareceram e obtive a cura completa da depressão. Se você estiver pensando muito em Robin Williams, procure enfocar-se na alegria e sabedoria que o trabalho dele trouxe ao mundo.

Quem sabe você encontre alguém que necessite de amor, de um sorriso, do conhecimento de que Deus o ama incondicionalmente e lhe tem reservado um propósito único e bênçãos! Assim você também verá como as palavras e as ideias podem, de verdade, mudar o mundo de alguém.

*Leide Lessa é professora e conferencista da Ciência Cristã e escreve sobre saúde sob uma perspectiva espiritual.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.