Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

23/09/2020 Fabian Valverde

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.

Se for levada em consideração que a decisão de pedir dinheiro emprestado não é bem planejada, realmente, a chance de isso ocorrer é muito grande.

Vem daí, talvez, o motivo pelo qual o crédito pode não ser bem visto por algumas pessoas. E olhando sob essa ótica, é totalmente compreensível.

Porém, se o indivíduo fizer uma análise detalhada de suas finanças, levando em consideração os ganhos e gastos, e chegar a conclusão que conseguirá arcar com a quitação do empréstimo, sem atrapalhar o orçamento, então, o crédito pode ser um recurso interessante.

Um exemplo do bom uso do crédito, por exemplo, é quando ele é usado trocar uma dívida mais cara por outra mais barata.

Dentro desse cenário, algumas modalidades de crédito com taxas menores de juro tem sido utilizado por algumas pessoas para sair do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito.

Em julho, para se ter uma ideia, a taxa média mensal do crédito rotativo e do cheque especial foram, respectivamente de 12,52% e 6,49%, enquanto a do consignado para o setor privado foi de 2,12%. Neste caso, uma dívida pode ser reduzida em cerca de dez ou seis vezes.

E aí vem o melhor dessa história toda. Ao liquidar a dívida, qualquer pessoa pode aproveitar a quantia que estava sendo paga para começar a poupar e investir em sua reserva de emergência, por exemplo.

Outro exemplo do bom uso do crédito é a realização de desejos de consumo. Aí, você, leitor, pode questionar: como assim, pegar dinheiro emprestado para gastar? Isso não pode ser perigoso para uma pessoa adquirir uma nova dívida?

Vamos lá. Aqui o que proponho é usar o crédito para viabilizar mais rapidamente aqueles desejos que estão planejados, mas que ainda demandam mais tempo para o indivíduo juntar a quantia desejada.

Eles podem ser vários, desde um intercâmbio para seu filho estudar no exterior até um curso de especialização.

No primeiro caso, se a pessoa fez os cálculos e chegou à conclusão que vai precisar economizar durante três anos para conseguir pagar a viagem em 12 vezes sem juros pela agência de intercâmbios, ela pode usar um empréstimo para dividir o valor total em até 60 meses, não precisando, portanto, esperar os três anos para poder realizar esse sonho. No outro exemplo, da qualificação profissional, vale o mesmo raciocínio.

Seja como uma opção momentânea para quitar dívidas maiores ou para viabilizar desejos de consumo, o crédito pode ser uma boa alternativa para ajudar o planejamento financeiro das pessoas, estimulando o consumo para movimentar a economia.

* Fabian Valverde é CEO da Paketá Crédito.

Fonte: ModoCon Comunicação



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.