Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vacinas contra Covid-19: A aquisição por entidades privadas

Vacinas contra Covid-19: A aquisição por entidades privadas

29/04/2021 Marcelo Dias Carvalho

O Congresso Nacional tem empenhado esforços no sentido de aprovar o Projeto de Lei (948/21), que visa estabelecer regras de aquisição e doação de vacinas por parte do setor privado.

O PL pretende alterar a redação do art. 2º, da Lei nº 14.125/21, de forma a permitir que 50% das vacinas adquiridas pelo setor privado possam ser destinadas à imunização contra a COVID-19 por entidades da sociedade civil, ao passo que a norma atualmente em vigor autoriza a aquisição de imunizantes com a doação integral ao Sistema Único de Saúde, a fim de serem utilizados no âmbito do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O assunto já foi discutido e aprovado na Câmara dos Deputados, e encontra-se em tramitação no Senado Federal, sob regime de urgência.

A iniciativa parlamentar teve início, inclusive, em razão da judicialização do assunto, quando o Sindicato dos Motoristas Autônomos de Transportes Privado Individual por Aplicativos no Distrito Federal (SINDMAAP-DF) obteve medida liminar junto à 21ª Vara Federal do Distrito Federal para autorizar a importação de vacinas, aliado ao fato de que se considera excessiva a demora no processo de imunização da população brasileira.

A despeito das decisões liminares concedidas em favor de entidades privadas terem sido cassadas pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, a discussão sobre o tema avança perante o Poder Legislativo e conta com apoio de diversos empresários do Brasil.

De fato, movimentos idealizados por grandes empresários e empresárias apoiam a iniciativa parlamentar, no intuito comum de acelerar a vacinação da população contra a doença causada pelo novo coronavírus, independentemente de qualquer isenção fiscal ou benefício, com um propósito legítimo da atuar em paralelo com os governantes no sentido de que a imunização alcance o maior número de pessoas em menor tempo, permitindo, consequentemente, a retomada das atividades produtivas, a manutenção de empregos e a melhora nos índices da economia.

Se por um lado muitos entendam que a proposição legislativa contribua para um avanço mais significativo no ritmo de imunização dos brasileiros, aliviando o colapso no setor da saúde, pelas redes públicas e privadas e em todos os Estados há uma outra parcela que considera a adoção dessas medidas uma carta branca para a quebra das prioridades estabelecidas pelo Plano Nacional de Imunização, resultando na instituição dos “fura-filas”.

Nesse contexto, a alteração proposta à Lei nº 14.125/21, da forma como vem sendo amadurecida e discutida, pode efetivamente contribuir para os fins a que se destinam havendo mecanismos e critérios disponíveis para que sejam controladas as aquisições, as doações, as imunizações e a comercialização das vacinas adquiridas pelas entidades privadas, sem que isso entre em rota de colisão com iniciativas públicas e com o Plano Nacional de Imunização.

É preciso apenas organizar e fiscalizar de forma legítima esse processo e os avanços no processo de imunização da população brasileira, de forma que possam acontecer de forma mais rápida.

* Marcelo Dias Carvalho é sócio gestor de Consultoria Tributária do Marcelo Tostes Advogados e advogado.

Para mais informações sobre vacinas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Sing Comunicação



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.