Indústria alimentícia deve se adaptar aos consumidores

Temos acompanhado uma mudança significativa no comportamento da população quando o assunto é o consumo de alimentos.


Autor: Lilia Kawazoe

27/02/2017 - 09:00

Muito além do sabor, hoje, as pessoas também estão preocupadas com as questões relacionadas à saudabilidade daquilo que consomem. Em outras palavras, quais benefícios eles podem proporcionar à saúde e ao bem-estar?

Uma pesquisa divulgada neste ano pela Euromonitor aponta que a venda de alimentos naturais e orgânicos cresceu 98% nos últimos cinco anos, enquanto que a demanda por opções tradicionais cresceu 67% no mesmo período.

O estudo ainda mostra que 28% dos brasileiros consideram que o valor nutricional é o mais importante na hora de consumir um produto e 22% das pessoas ouvidas disseram preferir alimentos naturais sem conservantes. Diante desses números notamos o grande desafio que a indústria de alimentos tem pela frente que é investir cada vez mais em opções saudáveis e naturais, transformando receitas tradicionais em opções ricas em vitaminas, ômegas, fibras e proteínas.

Esse é um trabalho que envolve pesquisas constantes para o desenvolvimento de novos ingredientes tecnológicos e a busca pela inovação. Ao buscarmos exemplos práticos desse trabalho na indústria alimentícia, encontramos as farinhas e óleos obtidos a partir de frutos e sementes da biodiversidade brasileira, como o açaí, cupuaçu e castanha do Brasil.

A proposta desses ingredientes é que eles sejam acrescentados a receitas tradicionais do dia a dia, como pães, bolos, cookies, molhos e maioneses, tornando o alimento uma opção de alto valor nutritivo. Outro ponto que não devemos deixar de lado é a questão dos alimentos orgânicos, pois em janeiro deste ano um estudo feito pela Nielsen mostrou que 33% dos consumidores preferem alimentos orgânicos e pagariam mais caro por isso.

Nesse sentido, estamos indo muito além do consumo de um alimento saudável, estamos falando de produtos comprometidos com a questão da sustentabilidade. Hoje, o consumidor está preocupado em saber se o alimento que ele vai consumir foi obtido a partir de um processo que engloba o respeito ao meio ambiente e aos envolvidos na cadeia produtiva.

Toda essa evolução do mercado alimentício nos leva a destacar também o segmento de produtos direcionados às pessoas com dietas restritivas. Isso porque, nos últimos anos, as empresas passaram a investir nesse nicho com o grande desafio de oferecer alimentos que possam suprir as necessidades das pessoas alérgicas ou com intolerância alimentar.

Para isso, a indústria de matérias-primas para alimentos está focada também na customização de serviços e desenvolvimento de insumos tecnológicos exclusivos. Esse cenário nos mostra que a indústria de alimentos está passando por um grande processo de transformação, o que envolve a mudança no comportamento do consumidor e a adequação das marcas a esse novo momento do mercado.

O resultado certamente trará benefícios a todos e os alimentos saudáveis e funcionais vão se tornar parte essencial do nosso cardápio diário.

* Lilia Kawazoe é Gerente Comercial da Unidade de Negócio Concepta Ingredients, pertencente ao Grupo Sabará, especializada no desenvolvimento de soluções naturais e tecnológicas, com foco nas indústrias de alimentos, bebidas, nutrição animal e farmacêutica veterinária.




Impacto do safrão

O Brasil continua sendo o país dos contrastes.


O Brasil de costas para sua indústria

Não há um Brasil próspero com uma indústria fraca.


O ano da computação cognitiva

Como a Computação Cognitiva será dominante em 2017.


Qualidade está na percepção do usuário

O que é qualidade?


O valor da hora de trabalho dos empregados bancários

Embora tenha natureza operacional e contábil, também é regido por normas jurídicas específicas.


Flexibilização trabalhista é o caminho?

Vivemos um período de nova cultura e de mudanças na postura dos profissionais.


Reengenharia de Processos, a chave para reduzir custos

Trata-se de viabilizar de forma estruturada e permanente a melhor relação qualidade x custo.


É preciso cuidar das cadeias degradadas

Investir na recuperação de cadeias degradadas é tão importante quanto preservar os biomas naturais.


A vítima comum da Direita e da Esquerda

“o que sustenta os discursos de vocês não passam de sombras projetadas nas paredes”


O estado delinquente de poder

Este é um raro e histórico momento quando os pilantras estão encurralados.