Procuram-se R$200 bilhões

Uma infraestrutura eficiente é a espinha dorsal de qualquer sociedade.


Autor: Andriei José Beber e Diogo Mac Cord de Faria

13/09/2017 - 11:00

Ao defender o uso da experiência e do método indutivo como critérios para aceitação de qualquer conhecimento, Francis Bacon, pai da ciência moderna, exerceu grande influência nos paradigmas científicos que marcaram a sociedade industrial.

Segundo o FMI, investir 1% do PIB a mais em infraestrutura conduz, em média, a um crescimento de 1,5% do PIB em quatro anos. Em países onde a infraestrutura é melhor planejada, o retorno é ainda maior, podendo chegar a 2,6% nesse mesmo período.

Uma infraestrutura eficiente é a espinha dorsal de qualquer sociedade e se constitui em um importante indicador da saúde socioeconômica nacional – e o Brasil, como uma das principais economias emergentes, precisa adotar medidas que ampliem sua competitividade mundial. Em 2013, a consultoria McKinsey estimou que o Brasil, para chegar a um estoque de ativos de infraestrutura equivalente a 70% de seu PIB – média de outros países mais desenvolvidos, como Itália e Alemanha, sem contar o Japão, com incríveis 179% – precisaria investir, nos 20 anos seguintes, 5,5% de seu PIB.

Desde então, porém, essa taxa tem ficado em torno de 2,2%, insuficiente até mesmo para cobrir a depreciação dos ativos existentes. Investidores privados conseguem realizar estes projetos de forma mais rápida e eficiente e, para atraí-los, o Estado deve viabilizar um ambiente de negócios cuja remuneração do capital seja compatível com os riscos envolvidos.

O país jamais será produtivo e competitivo globalmente se não levar a sério estes investimentos adicionais de R$ 200 bilhões por ano (passando dos atuais R$ 130 para R$ 330 bilhões). Mas, como financiar estes investimentos? A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima que, dos US$106 trilhões disponíveis globalmente sob a forma de fundos soberanos e de pensão, apenas 1,6% estão direcionados para investimentos em infraestrutura.

Pesquisa realizada pelo Global Infrastructure Center aponta que 69% dos gestores desses fundos desejam aumentar suas posições nesse segmento, com especial interesse nos mercados emergentes. Nessa direção, o caminho crítico para “capturar” esses recursos passa, obrigatoriamente, pela escolha de projetos que fazem mais sentido – ou seja, que produzam maior impacto econômico ao país e que sejam conduzidos por investidores que saibam o que estão fazendo -.

Por último, é imperativo criar os mecanismos necessários para financiar estes projetos sem onerar demasiadamente o BNDES, cujo dinheiro fácil e barato do passado acabou fazendo com que péssimos projetos parecessem viáveis.

A discussão em torno do papel do BNDES no financiamento da infraestrutura é, naturalmente, acalorada: os defensores da política de empréstimos subsidiados dizem que, sem o banco, não há dinheiro suficiente na praça para financiar os projetos de infraestrutura – caros, arriscados e ilíquidos (em função de seu horizonte de longo prazo).

Mesmo que fosse verdade, não há razão para os recursos serem subsidiados pelo BNDES. Há, de fato, um vício de origem. Ao calcular o preço-teto de um edital de concessão de infraestrutura com base em uma taxa “patriótica” do banco, produz-se uma distorção – fazendo com que o custo real do serviço não seja pago pelo usuário, mas sim injustamente rateado por todos os pagadores de impostos.

Outrossim, não é verdadeira a afirmação de que não há dinheiro para ocupar o espaço do banco nestes financiamentos. De fato, o que existia era uma concorrência predatória por parte do BNDES, que oferecia taxas de juro muito abaixo do custo de oportunidade, associadas a projetos de receita imprevisível, evidenciando uma alocação incorreta de riscos.

Uma das consequências de projetos muito arriscados e com baixo retorno é a necessidade de alta alavancagem. A dívida funciona como uma put-option: se o valor do negócio ficar abaixo do valor da dívida, o investidor (equity holder) abandona o projeto sem pagar o que deve. Atualmente, nossos projetos são muito alavancados: em torno de 80%. Nesse contexto, há diversas opções para resolver o problema.

A mais importante: aceitar o princípio basilar de finanças, a relação risco versus retorno, ou seja, os projetos devem garantir uma distribuição de riscos capaz de oferecer uma remuneração justa para ente privado e tarifas adequadas para os usuários. Segundo, para compensar a ausência do BNDES, é fundamental compreender que os bancos comerciais jamais ocuparão integralmente esse espaço, por uma simples questão de liquidez: empréstimos a projetos de infraestrutura levam décadas para serem pagos, um horizonte que não casa com a liquidez diária exigida pelos depósitos dos correntistas dos bancos.

Esse nicho pode ser ocupado por fundos especializados em empréstimos de longo prazo, aliados à emissão de debêntures. Contudo, é importante que se crie um mercado que ofereça liquidez a estes papéis – assim como ocorre com os títulos do tesouro. Com uma marcação a mercado, isto é, fazendo com que seu valor oscile dependendo do custo de oportunidade atual comparado com o valor de face do papel, cria-se uma ferramenta líquida para compra e venda destas debêntures, atraindo o investidor “comum”.

Outro ponto importante é compreender que projetos de infraestrutura são, na prática, “dois dentro de um”. O primeiro, engloba a fase de construção – mais arriscada por conta de atrasos e custos não previstos. O segundo corresponde a fase de operação e manutenção, considerada mais simples. Investidores avessos ao risco são geralmente aqueles com horizonte de longo prazo (fundos de pensão ou soberanos), que podem se interessar pela segunda fase do projeto, mas não pela primeira.

Assim, entender o perfil diferenciado do acionista é indispensável. Além disso, desenvolver um modelo de governança que permita a troca de controle no estágio operacional do projeto pode ajudar a viabilizar novos negócios. Para a parcela do equity (capital próprio), pode-se criar um produto específico para a emissão de ações (IPO) em estágio pré-operacional.

Imprescindível reforçar a importância de que os projetos tenham risco isolado (um modelo de Project Finance), sejam de qualidade (ou bankables), incluindo ainda seguros de completion que garantam a conclusão da obra.

Muito embora, estejamos ainda longe de chegar ao nível japonês, é possível sonhar em ser uma Espanha em 20 anos. Mas precisamos começar agora. Francis Bacon assevera: “O homem deve criar as oportunidades e não somente encontrá-las”.

* Andriei José Beber é Doutor em Engenharia e Professor do MBA da FGV.

* Diogo Mac Cord de Faria é Mestre em Administração Pública por Harvard e Doutor em Regulação da Energia pela USP.





Bob Dylan anuncia box com raridades de sua era gospel

O box contará com mais de 100 registros inéditos de sessões de estúdio e shows.


Foo Fighters confirma turnê no Brasil junto do QotSA

Notas Musicais

Foo Fighters confirma turnê no Brasil junto do QotSA

Eles virão junto do Queens of the Stone Age para quatros shows em 2018.


Estimativa para a inflação este ano cai para 3,2%

Mundo Empresarial

Estimativa para a inflação este ano cai para 3,2%

Banco Central reduz projeção de inflação este ano de 3,8% para 3,2%.


Roteiro de viagem para amantes de vinho

Passagem de volta ao mundo foca em lugares para pessoas com cada tipo de interesse.



São Paulo lidera ranking de competitividade entre estados

Café Pequeno

São Paulo lidera ranking de competitividade entre estados

Estado mantém melhor posição no ranking de competitividade entre as unidades da federação.


Mundo tem mais de 40 milhões de escravos, diz OIT

Café Pequeno

Mundo tem mais de 40 milhões de escravos, diz OIT

Organização Internacional do Trabalho pede mais empenho dos países


75% dos brasileiros não pouparam dinheiro em agosto

Apenas 19% dos consumidores pouparam parte de seus salários no mês, aponta pesquisa.


Olimpíada de Linguística abre para todos os interessados

Educação & Capacitação

Olimpíada de Linguística abre para todos os interessados

Olimpíada Brasileira de Linguística era restrita a alunos com formação até o ensino médio.


Google abre centro de computação em nuvem no Brasil

Tecnologia Máxima

Google abre centro de computação em nuvem no Brasil

Centro aberto em São Paulo reduzirá tempo que a informação leva para viajar entre o centro de dados e o usuário.


Governo Temer é reprovado por 75% dos brasileiros

Café Pequeno

Governo Temer é reprovado por 75% dos brasileiros

De acordo com pesquisa CNT somente 3,4% aprovam governo do presidente Michel Temer.


Pesquisa revela que o Rock é gênero favorito do Brasil

Notas Musicais

Pesquisa revela que o Rock é gênero favorito do Brasil

Pesquisa mostra quatro curiosidades sobre o consumo de eventos musicais entre os brasileiros.


Primavera dos Museus chega à sua 11ª edição

Noticias Culturais

Primavera dos Museus chega à sua 11ª edição

Museus de todo o país abrem as portas com programação especial nesta semana.


Data das provas do Encceja é adiada para novembro

Educação & Capacitação

Data das provas do Encceja é adiada para novembro

Exame é voltado a jovens e adultos que não concluíram os estudos em idade certa.


Christies Education lança novos cursos on-line

Nova plataforma de aprendizagem será lançada em outubro disponível em inglês, árabe e mandarim.


Como alugar um veículo sem dor de cabeça

Transporte Hoje

Como alugar um veículo sem dor de cabeça

Alugar um carro nem sempre é fácil, pois se você não se atentar a alguns itens, pode ficar com uma enorme dor de cabeça.


Cinco maneiras para cuidar do portador de Alzheimer

Saúde

Cinco maneiras para cuidar do portador de Alzheimer

O ambiente familiar é vital para que o tratamento da doença seja eficaz.


Consumidores desconhecem suas próprias finanças

Pesquisa mostra que 41% dos inadimplentes têm pouco conhecimento sobre suas contas básicas.



 Pequim terá trem de levitação magnética

Mobilidade em Debate

Pequim terá trem de levitação magnética

Também conhecido como Maglev, o trem chegará até 80km/h.


Lady Gaga adia 18 shows de sua turnê na Europa

Famosos

Lady Gaga adia 18 shows de sua turnê na Europa

A cantora sofre de fibromialgia, uma doença crônica que provoca dores múltiplas e difusas.


Cerveja “Pingado” leva café e leite vaporizado

Lançada no Brasil e nos EUA, a cerveja se inspirada no tradicional “pingado” de boteco.


Atenção pais para reajustes de mensalidades escolares

Educação & Capacitação

Atenção pais para reajustes de mensalidades escolares

Não existe um índice determinado para os aumentos. Pais deve ficar atentos para reajuste.


CCBB Rio fica entre os mais visitados do mundo

Noticias Culturais

CCBB Rio fica entre os mais visitados do mundo

O Centro Cultural ficou em 18º lugar no ranking liderado pelo Museu do Louvre.


Gus explora os caminhos da música Pop em Labirinto

Famosos

Gus explora os caminhos da música Pop em Labirinto

Primeiro single do cantor terá clipe protagonizado pela atriz Gabi Lopes.


PIB cresceu 0,6% no trimestre encerrado em julho

Mundo Empresarial

PIB cresceu 0,6% no trimestre encerrado em julho

Na comparação com o trimestre encerrado em julho de 2016, a alta chegou a 1,1%.


Projeto ajuda mães participantes do Enem

Educação & Capacitação

Projeto ajuda mães participantes do Enem

Pelo 2º ano o projeto pretende ajudar as mães que querem fazer o Enem e não tem onde deixar os filhos.


Cerveja pode ser ingrediente em diferentes receitas

Alimentos e Bebidas

Cerveja pode ser ingrediente em diferentes receitas

Saiba como utilizar a bebida na cozinha da melhor forma.