Portal O Debate
Grupo WhatsApp


5 dicas para quem vai comprar produtos de tecnologia em uma loja

5 dicas para quem vai comprar produtos de tecnologia em uma loja

19/07/2014 Charles Blagitz

Tablets, smartphones, notebooks, etc. Cada vez mais o mercado sofre uma enxurrada com os diversos tipos de aparelhos, inclusive, aqueles com qualidade e procedência duvidosa.

Para facilitar a vida do consumidor, abaixo seguem cinco dicas que para auxiliar quem vai comprar produtos de tecnologia a não entrar em uma roubada. Confira:

Olhe com atenção a embalagem do produto: Podemos conhecer muito sobre ele e sobre a empresa fabricante ou importadora só de ler os textos escritos. Se o fabricante ou o importador não investiu na tradução da caixa, com textos coerentes e sem erros de ortografia e concordância, imagine então a qualidade do produto. Fuja deles. Se possível, olhe também o manual. Muitas empresas para economizar, colocam um livretinho de duas ou três páginas, com quase nenhuma informação ao consumidor. Isso também demonstra a falta de vontade de investimento no respeito ao consumidor. Compre de outra marca.

Procure os telefones de contato e suporte técnico: Empresas que respeitam o consumidor colocam essas informações às claras, fáceis de encontrar. Quando não conseguimos encontrar as formas de contato para uma possível reclamação pós venda, é porque a empresa não quer ser encontrada ou não quer saber do cliente depois que ele já comprou o produto. Existem muitas marcas e modelos no mercado e você com certeza irá encontrar um bom produto de uma marca que tenha a preocupação com o pós venda.

Visite o site da empresa antes de comprar o produto: Se você não tiver um smartphone com acesso à web na hora, acalme seus ímpetos de compra e vá para casa. Lá, faça uma pesquisa no site da empresa e veja se as informações que constam na página eletrônica conferem com o que o produto oferece (tire uma foto das especificações do produto na loja), e se ele já não está “descontinuado”. Com a velocidade da tecnologia de hoje, qualquer produto fica velho em seis meses. Também é interessante ver a opinião de outros usuários e clientes sobre determinado produto ou marca.

Assistência Técnica: É algo que ninguém quer usar mas infelizmente, se o produto vier a apresentar defeito (o que é totalmente possível independente da qualidade e procedência da empresa), é onde você irá conhecer de fato a empresa fabricante/importadora do seu produto. O atendimento deve ser rápido, e o atendente deve mostrar conhecimento do produto e cordialidade com o cliente, dois fatores primordiais que determinam a qualidade do suporte.

É importante saber se a empresa possui oficinas especializadas nas principais capitais. Mesmo que não tenha vários pontos, pelo menos um contrato com os correios irá facilitar muito o processo de enviar – esperar - receber de volta. Quando enviar o produto, certifique-se de que ao atingir os 20 dias da data do envio, a empresa já se pronunciou quanto à solução do problema. Se ninguém se manifestar, não pense duas vezes: faça uma reclamação fundamentada, sem paixões nem ofensas, no site do Reclame Aqui, no Facebook (isso ajuda muito) e também no novo portal do governo www.consumidor.gov.br. Nenhuma empresa quer ficar com seu nome manchado na praça.

Qualidade do produto: O Brasil sempre foi considerado o latão de lixo de tecnologia do mundo. Tudo o que não vende nos Estados Unidos, Europa ou qualquer outro país acaba sendo despejado aqui, quer seja via legal ou via Paraguai. Sempre existe um motivo para um produto ser o mais barato, o chamado “primeiro preço”. O mais provável é a descontinuidade dele como produto, ou então a real falta de qualidade do mesmo. Não é errado comprar produtos mais baratos, afinal dinheiro não dá em árvore, mas sempre é bom desconfiar. Muitos usuários se arrependeram de ter comprado um tablet ou smartphone de primeiro preço e se perceberam o erro amargamente. Não é culpa da marca e sim do próprio cliente que decidiu aceitar o apelo de preço em detrimento da qualidade ou da vida útil do seu produto.

*Charles Blagitz é geek assumido, apaixonado por tecnologia e heavy user dos mais modernos aparatos eletrônicos, é CEO da empresa Point Seven.



“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.


E o cartão caminhoneiro?

O objetivo é proteger os caminhoneiros da oscilação diária no preço do diesel, durante um serviço de frete.


Raciocínio lógico

Uma das mais reconhecidas competências socioemocionais.


A justiça e a injustiça são antagônicas, não se misturam?

“Há mais coragem em ser justo, parecendo ser injusto, do que injusto para salvaguardar as aparências da Justiça”.