Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A arte do relacionamento após o Coronavírus

A arte do relacionamento após o Coronavírus

15/05/2020 Reinaldo Arruda e Ierson da Silva Batista

O mundo humano é frágil. Para constatar tal fato, basta uma pequena olhada para o passado.

Com o sentimento de medo, pesar e tristeza, o que também é sentido com o coronavírus, a humanidade já viveu e conviveu com as agruras das pandemias anteriores: a peste negra, a gripe espanhola, a gripe suína, etc.

A princípio, numa pandemia, o que se pode perceber é ainda a grande limitação humana, sua finitude e impossibilidade perante situações não planejadas da vida.

Mesmo com o avanço tecnológico, científico e cultural não temos como controlar o inesperado, principalmente o que é virótico, pandêmico.

O mundo humano é frágil mesmo. Somos suscetíveis às surpresas e dificuldades da vida. Contudo, precisamos entender que a nossa vulnerabilidade não pode significar impotência.

Mas, nenhum de nós imaginava que estaríamos enfrentando o que vivemos atualmente, e isso em proporção global.

Ficamos em casa, trabalhamos em casa, e estamos a maior parte do tempo com os nossos familiares e, ao mesmo tempo, distanciados de outros.

Durante a pandemia da COVID-19, algumas pessoas, de modo encantador, estão redescobrindo o seu ambiente familiar e os relacionamentos, o estar em casa, a vivência e a convivência mais ampla e intensa com os seus familiares.

Alguns estão reinventando seu jeito de ser, de viver e de relacionar, a partir do encontro e da relação com o outro, “dons doravante descobertos”, o que é magnífico em meio a este novo cenário e contexto de distanciamento social.

Há outros que, apesar de estarem em casa, ficam uma pequena parte do tempo com os familiares, pois estão trancados em seus quartos, em frente à televisão e conectados nas redes sociais. O estar junto é pequeno e acontece esporadicamente.

Outras pessoas estão em casa, mas continuam trabalhando em home office, e trabalham, trabalham muito. Por um lado, estas pessoas, devido ao estilo de vida da sociedade contemporânea, “desaprenderam” a conversar com o outro “olho no olho”, e também a conviver.

Por outro, passaram a se relacionar mediado por tecnologias, cuja característica é a virtualização, até mesmo com as pessoas mais queridas, os familiares. Haja vista, os grupos familiares de WhatsApp.

Nesta pandemia da COVID-19, continuamos a nos revelar como seres humanos, que perante o inesperado, nos reconstruímos ou nos reinventamos.

Mas, quando se trata de relacionamento humano, deixamos às claras o que e quem verdadeiramente é importante para nós, bem como a vida que queremos viver daqui para frente.

Com o coronavírus, algumas “deficiências” já instauradas na vivência familiar, nas relações de trabalho, no trato da comunidade próxima, vizinhos, amigos estão afloradas. Neste sentido, a pandemia, por vezes, não é a causa, mas apenas um instrumento purificador ou depurador.

Assim, uma pergunta se faz pertinente: no passar da pandemia da COVID-19 como serão as relações humanas?

O sociólogo e filósofo francês contemporâneo Edgar Morin lembra que o futuro nasce do presente e “isto significa dizer que a primeira dificuldade de pensar o futuro é a dificuldade de pensar o presente. A cegueira sobre o presente nos torna, ipso facto, cegos em relação ao futuro”.

Para Morin, há de forma generalizada uma dificuldade de configurar o rosto do presente. Na realidade há um ledo engano de que nos conhecemos o suficiente para garantirmos um futuro próspero.

É inegável, a quarentena provocada pela pandemia da COVID-19, é pedagógica e educativa: ensina-nos a encontrarmos o nosso melhor lugar no mundo e com as pessoas que amamos: nossa casa, nosso lar e nossa família.

Durante a pandemia, e mais importante ainda, depois que ela passar, precisamos de uma vida em plenitude, marcada por relacionamentos saudáveis.

Nesse sentido, tal como afirmou Agostinho de Hipona, para vivermos a vida plenamente, temos que aprender a amar as pessoas e usar as coisas, e não usar as pessoas e amar as coisas.

Em outras palavras, o que queremos enfatizar é que mudamos e continuaremos a mudar o que “somos por dentro”, coração e alma, mas também por fora nos encontros e desencontros da vida.

Assim, quando a pandemia acabar, no que tange ao relacionamento humano, a nossa esperança é que:

1. A distância geográfica, física, psicológica e afetiva seja diminuída entre as pessoas que partilham um mesmo espaço, seja o da casa, seja o do trabalho;

2. Os relacionamentos e a convivência sejam contagiantes, repletos de abraços, apertos de mão e profunda amizade;

3. O medo da proximidade com o outro se transforme na ousadia do encontro e da pertença;

4. A nossa vulnerabilidade seja compreendida por nós e pelos outros, a ponto de nos ligarmos e nos unirmos no enfrentamento das impensadas coisas da vida;

5. O toque físico, o diálogo e a convivência sejam terapêuticos e muito mais eficientes que os remédios que tomamos.

Finalmente, quando a pandemia da COVID-19 passar, que sejamos mais humanos, e que a “vontade” mais pujante em cada um de nós, seja, tão somente, a vontade de abraçar, sorrir com o outro e de comemorar um fim de um pesadelo.

* Reinaldo Arruda é doutor em ciências da religião e professor da Faculdade Batista de Minas Gerais nos cursos de teologia e direito.

* Ierson da Silva Batista é mestre em ciências da religião e professor da Faculdade Batista de Minas Gerais no curso de teologia.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.