Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A culpa não é das estrelas

A culpa não é das estrelas

22/06/2014 Chico Neves

Eu tenho a impressão de que apaixonar-se é uma das sensações mais poderosas do mundo. Fico emocionado quando vejo jovens vivendo a experiência de ter um primeiro amor e a felicidade de amar e ser amado por alguém.

Infelizmente alguns jovens são privados desta maravilhosa experiência por um diagnóstico: o câncer. É muito difícil escutar esta palavra em qualquer idade, mas talvez, quando se é adolescente, seja ainda mais. Não é fácil lidar com as pressões próprias da idade: a escola, o vestibular, os pais, os hormônios... E ainda com uma doença cuja taxa de cura ainda tem o que evoluir no Brasil.

Hazel e Gus, do filme “A culpa é das estrelas”, me emocionaram. Eles são jovens como os que beneficiamos através da organização onde trabalho e passam por difíceis momentos como todos os jovens pacientes com câncer: negação, medo da morte e tantos outros sentimentos que se confundem. Mas acima de tudo, eles nos inspiram. Para mim, foi como ver um filme dentro de um filme. Sou pai e tive um filho com câncer. Eu e minha esposa Sônia fizemos de tudo para salvá-lo, inclusive buscar tratamento no exterior com a generosidade de muitos amigos e até desconhecidos que se mobilizaram para proporcionar ao Marquinhos uma oportunidade que há 20 anos ainda não existia no Brasil.

Nenhum pai ou mãe está preparado para ver seu filho morrer. Nunca. E este foi o momento mais doloroso que eu e Sônia vivemos. Mas nunca me passou pela cabeça colocar um ponto final na história do meu filho. Ficamos confusos quando vemos tanta vida em dois pacientes em fase terminal. E a verdade é esta: a batalha não termina quando as esperanças acabam. A batalha só termina quando as pessoas não se importam. A história do Marquinhos foi o começo de uma trajetória.

Uma história que envolve muitas pessoas, instituições, empresas e transformou a imensa vontade de apoiar outras famílias, numa organização que hoje beneficia anualmente cerca de 30 mil crianças, adolescentes e seus familiares. Para mim é uma honra fazer parte deste trabalho e com alegria dizer que estamos contribuindo para aumentar os índices de cura no Brasil que podem chegar a até 85% em alguns casos. Quando as pessoas são amadas, elas não são esquecidas.

Os personagens Hazel e Gus não serão. O Marquinhos não foi. E a transformação que ele deixou nas pessoas que o conheceram e tantas outras que não, mas que foram influenciadas pela sua história, é o maior legado que alguém pode deixar. Se você tem um amigo ou parente com câncer terminal, saiba que você é muito importante. E você faz toda a diferença para que ele possa ser feliz, pois você também vai ser responsável por um legado e poderá fazer a diferença para muita gente.

*Chico Neves é superintendente do Instituto Ronald McDonald, que há 15 anos trabalha pelo aumento do índice de cura do câncer infantojuvenil.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa