Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A figura paterna

A figura paterna

14/08/2016 Gerson Leite de Moraes

A presença do pai pode fazer uma diferença enorme na vida dos filhos.

Falar em figura paterna em tempos líquidos não é uma tarefa fácil, seja porque vivemos numa época onde a figura do masculino é bombardeada de todos os lados ou simplesmente porque nos falta uma certa glamourização, que sobra na figura materna.

Sobre as mães é mais fácil escrever, diante delas os poetas se enchem de inspiração que brota das entranhas e flui com naturalidade, os filhos, por sua vez, são tomados de memórias afetivas que colocam as mães num patamar quase angelical, basta lembrar que quase ninguém briga com o outro porque teve o pai xingado, mas se a mãe é ofendida, a confusão está formada; o mercado, – vilão para uns e herói para outros – por sua vez, parece ter uma capacidade enorme e inesgotável de se reinventar e oferecer um sem número de produtos para elas.

Na prática sabemos como é, para as mães com todo merecimento, geladeiras, smartphones, já para os pais, “uma lembrancinha singela”, como um par de meias ou talvez uma camisa. É a vida amigo, acostume-se! Suspeito, no entanto, que seja desta forma por razões sociais e históricas, pois não é verdadeiro que amamos mais nossas mães do que nossos pais - como se pudéssemos medir o amor devotado por meio de mercadorias -, mas é fato que nós pais ocupamos um lugar diferente na organização familiar se comparados à figura materna.

Coube à figura paterna, desde priscas eras, assumir uma posição de destaque no seio familiar ou como se dizia antigamente, de ser o “cabeça da casa”, e isto, trouxe responsabilidades culturalmente construídas que deixaram o papel dos pais mais difícil de ser executado, afinal, eles tiveram que ser referências dentro do clã, e isto, implicava ser um paradigma de liderança com toda austeridade que a função exigia e ao mesmo tempo exercer o ato de amar sua prole, sem que isso parecesse sentimental demais, pois a figura do macho, do lobo alfa, colou-se imediatamente na figura paterna e, desde então, ambas caminham como irmãs siamesas.

Deduz-se daí que a figura paterna colocou-se numa encruzilhada, onde a autoridade do líder teve que ser exercida de forma quase que inquestionável por um lado, mas por outro, tinha que ocorrer o exercício do cuidado providencial, daquele que amava sua família, mas precisava dosar tal atitude para não perder credibilidade.

Claro que num cenário como este a tensão é a marca registrada. Nesta tensão, muitas relações de amor e respeito entre pais e filhos foram construídas, mas claro que também, muitas relações de ódio foram tecidas, pois muitos pais não sabendo lidar com este paradoxo, acabavam abusando de sua autoridade e tornando-se autoritários e anacrônicos no exercício da função paterna.

Com isto, a figura paterna foi sendo desmanchada, diluída, foi sendo carcomida nem suas bases. E é claro que isso não é nada bom. O que precisa ser resgatado imediatamente é o equilíbrio da função paterna, o meio termo entre a autoridade e o cuidado. Inúmeras pesquisas têm demonstrado a tragédia nos lares brasileiros em função da ausência da figura paterna.

Segundo levantamento feito pelo Ministério Público de São Paulo, dois em cada três menores infratores não tem a figura paterna dentro de casa. A pesquisa foi feita com 1.500 jovens de 15 a 18 anos, entre 2014-2015 e demonstrou que 42% não vivem com os pais ou não tem contato algum com eles.

Quando a figura paterna não está presente no lar para ser uma referência, tal função pode ser assumida por qualquer pessoa, inclusive, pelo traficante da região ou pelo bandido mais renomado do bairro. Pense nisto pai, você não é descartável e nem secundário, você é simplesmente diferente com suas atribuições que foram sendo construídas histórica e socialmente, mas a sua presença pode fazer uma diferença enorme na vida de seus filhos.

Feliz dia dos Pais!

* Gerson Leite de Moraes é professor de Ética da Universidade Presbiteriana Mackenzie – Campinas.



A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.