Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A hora de mudar (ou não mudar)…

A hora de mudar (ou não mudar)…

04/10/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

A república brasileira sempre padeceu de representação popular.

Temos assistido desde o ano passado, as manifestações de rua, que começaram protestando contra o aumento das passagens de ônibus, trens e barcos, passaram pela oposição à Copa do Mundo e seguiram até hoje pedindo o fim da corrupção, mais segurança, casa própria, saúde, escola e dezenas de outras coisas.

Nossas ruas e estradas são frequentemente bloqueadas por infindáveis protestos, muitas vezes violentos. Vivemos o sobressalto de ver ônibus e outros veículos queimados em revoltas de diferentes raízes, a maioria delas ligadas ao crime organizado.

Apesar do discurso oficial, que fala em normalidade, não é isso que se vê na prática. Nossas vidas correm risco permanente, a propriedade há muito não é protegida, o direito de ir e vir é desrespeitado, as instituições mostram-se fracas e as autoridades omissas e atabalhoadas.

É nesse quadro que chegamos ao dia da eleição, onde escolheremos presidente da República, governador, senador e deputados. É o único momento em que os incomodados podem fazer algo pela mudança e os satisfeitos têm a oportunidade de deixar tudo como está.

Não terão tido significado e nem um mínimo sentido prático todas as passeatas e protestos que se realizaram ao longo desse último ano e meio, se seus promotores e aqueles que dela participaram continuarem votando como antes. Se é para continuar como está, não havia razão para protestar!

A república brasileira sempre padeceu de representação popular. Nasceu nas mãos dos militares, serviu as oligarquias, foi suplantada por ditaduras e nunca foi efetivamente o poder emanado do povo, embora seja exercido em nome dele.

Mesmo nos momentos de democracia e maior participação popular, o que se ofereceu ao povo é o resultado de acordos e conchavos de segmentos políticos, econômicos ou ideológicos. O povo, infelizmente, só é utilizado para dar legitimidade à vontade dos grupos que se organizam ao redor de interesses.

Vivemos hoje o mais longo período democrático de nossa história mas, mesmo assim, a estrutura partidária e de governo é dotada de vícios que precisam ser sanados para que todos – e não apenas alguns – tenham a oportunidade de chegar ao poder.

No entanto, o mais importante para o momento é votar bem. Diante da urna eletrônica teremos a oportunidade de, se insatisfeitos, dar nossa contribuição para mudar o governo e a composição das casas legislativas e, se satisfeitos, votar pela reeleição tanto dos componentes do Executivo quanto dos do Legislativo.

Se a presidente e/ou o governador forem reeleitos, ficará claro que a maioria da população não concorda com os protestos contra eles dirigidos, e as manifestações têm de cessar imediatamente.

Numa democracia, as minorias se curvam à maioria e, ponto final...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



O Brasil enfrenta uma crise ética

O Brasil atravessa uma crise ética. É patente a aceitação e banalização da perda dos valores morais evidenciada pelo comportamento dos governantes e pela anestesia da sociedade, em um péssimo exemplo para as futuras gerações.

Autor: Samuel Hanan


Bandejada especial

Montes Claros é uma cidade de características muito peculiares. Para quem chega de fora para morar lá a primeira surpresa vem com a receptividade do seu povo.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil