Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A importância da Cultura Organizacional para a Transformação Digital

A importância da Cultura Organizacional para a Transformação Digital

26/09/2020 Sandra Maura

A Transformação Digital é uma realidade. Mais do que isso, a tecnologia já é um fator imprescindível para os negócios, acelerando e alterando completamente as atividades de empresas de todos os segmentos.

Graças à crescente atividade virtual e ao aumento exponencial do uso dos dados, por exemplo, estamos acompanhando um novo ciclo de modernização e desenvolvimento, com o surgimento de novos caminhos para que as organizações possam garantir mais eficiência e melhores experiências a seus clientes.

Mas o que, de fato, marcaria uma jornada digital bem sucedida? Evidentemente, o primeiro passo é contar com as mais avançadas soluções de tecnologia e uma boa dose de inovação.

Afinal de contas, é a busca pela transformação que move a indústria rumo a avanços como o 5G, a Internet das Coisas (IoT – do inglês Internet of Things) e a Inteligência Artificial, em uma abordagem XaaS (do inglês Everything as a Service).

Não por acaso, pesquisas globais indicam que, na maior parte das organizações, a “responsabilidade” pela Transformação Digital ainda está exclusivamente dedicada à área de TI.

Segundo o Gartner, 77% dos líderes empresariais consideram que as prioridades das iniciativas de Transformação Digital dependem muito da área de Tecnologia.

A Transformação Digital, porém, também precisa de uma cultura que permita o uso inteligente e completo dessas soluções.

Para que as empresas possam extrair o máximo proveito de seus investimentos, em TI inclusive, elas precisam contar com talentos engajados e uma cultura organizacional que incentive o desenvolvimento.

Nesse cenário, é preciso destacar que os colaboradores de uma empresa é que são a base da cultura organizacional – sem as pessoas, nenhuma transformação irá acontecer e nenhum sistema terá resultado.

Considere, por exemplo, uma empresa que comercializa produtos fabricados com alta tecnologia. O atendimento prestado aos clientes nas unidades ou no ambiente virtual precisa oferecer uma experiência positiva inesquecível ou de nada terá adiantado o investimento em TI.

Vale destacar que as empresas que conseguem resultados melhores em suas jornadas de Transformação Digital são aquelas que possuem uma cultura voltada para o aprendizado contínuo, a colaboração e a tolerância a erros.

A tecnologia, nesse sentido, deve ser o facilitador para a criação de um campo de trabalho criativo, com as condições certas para que as pessoas possam inovar e contribuir.

Paralelo a isso, claro, é importante que os colaboradores tenham certeza de que serão ouvidos e que suas opiniões serão realmente avaliadas e consideradas.

O fato é que não existe uma receita pronta que indique como superar as resistências internas e engajar todas as áreas da empresa no objetivo comum da Transformação Digital. Cada negócio tem suas próprias características.

Todavia, investir em inteligência e serviços que simplifiquem o dia a dia e reforcem o foco das pessoas em atividades estratégicas é algo a ser fundamentalmente considerado.

O uso da tecnologia, portanto, não é apenas uma opção para produzir mais: elas também podem ajudar as empresas a descobrirem o caminho para a mudança organizacional mais alinhada à sua estratégia de negócios.

A Transformação Digital começa com os CIOs e com os líderes de Tecnologia da Informação (TI). Eles devem tomar o papel de impulsionadores da implementação dos novos recursos.

Mas para uma nova cultura organizacional, porém, é preciso estimular a participação de todos - direcionando o mindset de inovação como um fator único e pertencente a todas as pessoas da companhia.

Ao tratar a mudança de cultura como um projeto de inovação, os líderes certamente ganharão uma nova perspectiva – com opiniões e insights que serão benéficos para aprimorar o negócio como um todo.

Isso porque o engajamento com o projeto de transformação de cultura é essencial – assim como ganhar a atenção do cliente é chave para tornar um produto bem recebido no mercado.

As empresas devem sempre considerar que a mudança de cultura, assim como a Transformação Digital, não acontece da noite para o dia, e nem é um projeto de começo, meio e fim.

Trata-se de um processo contínuo e que, inclusive, deve estar sempre em constante aprimoramento para atender aos objetivos estratégicos – especialmente em um cenário volátil como o atual, que pode ser alterado rapidamente de maneira drástica, como vimos com a pandemia de COVID-19.

É importante que as empresas dediquem atenção especial para a cultura organizacional, construída pelas pessoas – e para isso, sim, elas podem usar a tecnologia e a inovação.

O propósito das companhias precisa estar vivo nas ações de cada funcionário, sem distinção. Sem isso, nenhum planejamento ou tecnologia conseguirão ser eficazes.

Como disse Peter Drucker, a cultura come estratégia no café da manhã. E a sua empresa, já está preparada para essa jornada de mudança?

* Sandra Maura é CEO da TOPMIND.

Fonte: Planin



O Judiciário e o muro cinzento

O Poder Judiciário, para mim, sempre foi uma instituição solene, respeitável e guardiã intransigente da Constituição e das leis.


Apagaram-se as luzes, perdi o show

Meu pai só gostava de músicas sertanejas, mas quando o cantor Roberto Leal aparecia na TV, ele me chamava para assisti-lo e ficava ouvindo junto.


O mundo mudou, e o Secretariado também

Sou do tempo em que se fazia curso de datilografia.


O “descanso” no treinamento esportivo de alto rendimento

A notícia da necessidade de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus caiu como uma bomba no universo do esporte de alto rendimento.


A indústria do plástico e as cooperativas de reciclagem

Fechando o ciclo da economia circular.


O impacto da IoT na Engenharia de Produção

Desde a apresentação do conceito da Indústria 4.0 em 2011 na feira de Hannover, houve grande aceleração tecnológica em diversas áreas do conhecimento.


O novo normal da saúde é entender o poder das pessoas

Coletividade. Talvez essa seja a principal arma para lidarmos com a pandemia.


Nossos direitos vêm

Mais recentemente, quando atuei num júri onde os fatos apurados aconteceram na comunidade Fábio Alves, sediada no Barreiro, em Belo Horizonte, veio-me forte a memória do amigo e mestre professor Fábio Alves dos Santos.


A fome tem pressa

Dezesseis de outubro, Dia Mundial contra a Fome.


Como sair do isolamento sem colocar a vida dos condôminos em risco?

A pandemia do novo coronavírus tem nos obrigado a adotar novos parâmetros e limites para a vida em sociedade, para que assim possamos frear a velocidade de contágio pelo vírus.


Mudança cultural é o fator mais importante para a transformação digital nas empresas

A pandemia do coronavírus obrigou as empresas a lidarem com profundas mudanças e trouxe a necessidade de colocar em prática a digitalização dos negócios.


Síndrome do medo

Medo e insegurança são duas realidades que caminham juntas e se tornaram amigas do povo brasileiro.