Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da Cultura Organizacional para a Transformação Digital

A importância da Cultura Organizacional para a Transformação Digital

26/09/2020 Sandra Maura

A Transformação Digital é uma realidade. Mais do que isso, a tecnologia já é um fator imprescindível para os negócios, acelerando e alterando completamente as atividades de empresas de todos os segmentos.

Graças à crescente atividade virtual e ao aumento exponencial do uso dos dados, por exemplo, estamos acompanhando um novo ciclo de modernização e desenvolvimento, com o surgimento de novos caminhos para que as organizações possam garantir mais eficiência e melhores experiências a seus clientes.

Mas o que, de fato, marcaria uma jornada digital bem sucedida? Evidentemente, o primeiro passo é contar com as mais avançadas soluções de tecnologia e uma boa dose de inovação.

Afinal de contas, é a busca pela transformação que move a indústria rumo a avanços como o 5G, a Internet das Coisas (IoT – do inglês Internet of Things) e a Inteligência Artificial, em uma abordagem XaaS (do inglês Everything as a Service).

Não por acaso, pesquisas globais indicam que, na maior parte das organizações, a “responsabilidade” pela Transformação Digital ainda está exclusivamente dedicada à área de TI.

Segundo o Gartner, 77% dos líderes empresariais consideram que as prioridades das iniciativas de Transformação Digital dependem muito da área de Tecnologia.

A Transformação Digital, porém, também precisa de uma cultura que permita o uso inteligente e completo dessas soluções.

Para que as empresas possam extrair o máximo proveito de seus investimentos, em TI inclusive, elas precisam contar com talentos engajados e uma cultura organizacional que incentive o desenvolvimento.

Nesse cenário, é preciso destacar que os colaboradores de uma empresa é que são a base da cultura organizacional – sem as pessoas, nenhuma transformação irá acontecer e nenhum sistema terá resultado.

Considere, por exemplo, uma empresa que comercializa produtos fabricados com alta tecnologia. O atendimento prestado aos clientes nas unidades ou no ambiente virtual precisa oferecer uma experiência positiva inesquecível ou de nada terá adiantado o investimento em TI.

Vale destacar que as empresas que conseguem resultados melhores em suas jornadas de Transformação Digital são aquelas que possuem uma cultura voltada para o aprendizado contínuo, a colaboração e a tolerância a erros.

A tecnologia, nesse sentido, deve ser o facilitador para a criação de um campo de trabalho criativo, com as condições certas para que as pessoas possam inovar e contribuir.

Paralelo a isso, claro, é importante que os colaboradores tenham certeza de que serão ouvidos e que suas opiniões serão realmente avaliadas e consideradas.

O fato é que não existe uma receita pronta que indique como superar as resistências internas e engajar todas as áreas da empresa no objetivo comum da Transformação Digital. Cada negócio tem suas próprias características.

Todavia, investir em inteligência e serviços que simplifiquem o dia a dia e reforcem o foco das pessoas em atividades estratégicas é algo a ser fundamentalmente considerado.

O uso da tecnologia, portanto, não é apenas uma opção para produzir mais: elas também podem ajudar as empresas a descobrirem o caminho para a mudança organizacional mais alinhada à sua estratégia de negócios.

A Transformação Digital começa com os CIOs e com os líderes de Tecnologia da Informação (TI). Eles devem tomar o papel de impulsionadores da implementação dos novos recursos.

Mas para uma nova cultura organizacional, porém, é preciso estimular a participação de todos - direcionando o mindset de inovação como um fator único e pertencente a todas as pessoas da companhia.

Ao tratar a mudança de cultura como um projeto de inovação, os líderes certamente ganharão uma nova perspectiva – com opiniões e insights que serão benéficos para aprimorar o negócio como um todo.

Isso porque o engajamento com o projeto de transformação de cultura é essencial – assim como ganhar a atenção do cliente é chave para tornar um produto bem recebido no mercado.

As empresas devem sempre considerar que a mudança de cultura, assim como a Transformação Digital, não acontece da noite para o dia, e nem é um projeto de começo, meio e fim.

Trata-se de um processo contínuo e que, inclusive, deve estar sempre em constante aprimoramento para atender aos objetivos estratégicos – especialmente em um cenário volátil como o atual, que pode ser alterado rapidamente de maneira drástica, como vimos com a pandemia de COVID-19.

É importante que as empresas dediquem atenção especial para a cultura organizacional, construída pelas pessoas – e para isso, sim, elas podem usar a tecnologia e a inovação.

O propósito das companhias precisa estar vivo nas ações de cada funcionário, sem distinção. Sem isso, nenhum planejamento ou tecnologia conseguirão ser eficazes.

Como disse Peter Drucker, a cultura come estratégia no café da manhã. E a sua empresa, já está preparada para essa jornada de mudança?

* Sandra Maura é CEO da TOPMIND.

Fonte: Planin



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.