Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Anseios da Educação e o novo governo

Anseios da Educação e o novo governo

25/08/2016 Cesar Silva

Iniciado o governo interino, o segmento de Educação permanece com suas angústias.

O MEC traz nomes de muita credibilidade, como as professoras Maria Helena Guimarães de Castro, Secretaria Executiva do MEC, e Maria Inês Fini, Presidente do INEP, que possuem longa história na implantação de projetos educacionais, como o próprio ENEM.

Há, porém, grande contradição quanto aos novos projetos. Embora em dívida com diversas instituições privadas que ofertaram cursos por meio do Pronatec, o MEC divulgou a liberação de R$ 78 milhões para novas vagas pelo programa.

Entre os contemplados com os recursos, há 470 instituições privadas. Mas como convencê-las a aderir a mais uma rodada de bolsas se elas e seus pares ainda não foram pagos pelos serviços prestados ao governo? Além de credibilidade, a nova equipe deve buscar as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) que, dois anos após sua sanção, ainda sofre com a falta de propostas que garantam seu cumprimento, embora possua importante papel como impulsionador do desenvolvimento econômico.

O Censo da Educação de 2015 mostra que o ensino médio no país cresceu rapidamente até 2004, quando então quase estacionou. Em 1992, somente 18,3% dos jovens de 15 a 17 anos estavam no ensino médio; em 12 anos, esse percentual passou para 45,7%, e chegou a 56,5% em 2014, quando 65% dos jovens com 25 anos haviam concluído o ensino médio.

Naquele ano, das 10,6 milhões de matrículas no ensino médio, 7,6 milhões eram de cursos regulares (propedêuticos), 1,3 milhões em cursos de educação de jovens e adultos (EJA) e 1,7 milhões em cursos técnicos. Destes, 790 mil já haviam completado o ensino médio regular, e outros 511 mil que faziam os dois cursos simultaneamente.

A educação brasileira se expande, mas de forma perversa. Apesar de a grande maioria nunca chegar ao ensino superior, a qualificação profissional só pode ser feita como formação adicional por aqueles que concluíram o ensino médio tradicional.

A falta de alternativas exclui os que não têm condições, como se vê pelo grande número dos que não completam a educação média ou não atingem as notas mínimas no ENEM para ingresso na educação. Se causa entusiasmo saber que mais de 9 milhões de brasileiros se inscrevem no ENEM, dá arrepios verificar que apenas metade obtém nota superior a 450 pontos e que sequer 2 milhões de estudantes se matriculam no ensino superior.

Ainda que sem indicadores sobre os rumos pretendidos pela nova equipe do MEC, a ampliação do acesso à educação profissional tem de ser prioridade. Seria a forma de ampliar a empregabilidade dos jovens e abrir oportunidades de negócios.

* Cesar Silva é presidente da Fundação FAT, entidade sem fins lucrativos que desenvolve cursos e treinamentos nas áreas de educação e tecnologia.



A angústia da inovação

Inovação é a bola da vez.


A importância da Cultura Organizacional para a Transformação Digital

A Transformação Digital é uma realidade. Mais do que isso, a tecnologia já é um fator imprescindível para os negócios, acelerando e alterando completamente as atividades de empresas de todos os segmentos.


Os limites da ciência e o renascer da filosofia

A palavra “filosofia” vem da junção de duas palavras gregas: philo (amizade, amor) e sofhia (saber, sabedoria). Logo, filosofia é o amor ao saber.


Inovação alinhada à computação em nuvem e segurança da informação na economia de Minas Gerais

O Estado de Minas Gerais possui a terceira maior participação na economia brasileira, atrás apenas de Rio de Janeiro e São Paulo.


Por que a Lei de proteção de dados é bem-vinda nos dias atuais?

Nestes últimos dias você provavelmente ouviu falar sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a legislação brasileira que regula o tratamento de dados pessoais no Brasil.


Pandemia deve intensificar transações de M&A no ensino superior privado no Brasil

O uso recorrente da tecnologia das comunicações on-line deve acelerar o processo de seleção natural corporativa na educação.


Que saudades de gritar “gol” no estádio

A maior lacuna que a ausência de público deixa no espetáculo futebolístico é a sonora.

Que saudades de gritar “gol” no estádio

Soluções sustentáveis para impulsionar a economia

Em grego, oikos (eco) significa casa e nomos (nomia) significa lei/ordem.


Aos mestres, com carinho, nossa gratidão!

“Vivemos um tempo atípico” e “Precisamos nos reinventar” são algumas das frases mais pronunciadas nesses últimos meses.


Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.


O receio de opinar

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.


Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.