Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As novas rotas da seda e seus impactos sobre a economia

As novas rotas da seda e seus impactos sobre a economia

22/05/2017 Marcos Cordeiro Pires e Luís Antonio Paulino

As mudanças estratégicas da China terão impactos significativos na política e economia mundiais.

Nos dias 14 e 15 de maio o governo chinês organizou em Pequim o “Belt and Road Forum for International Cooperation”, a reunião de cúpula que reuniu 28 Chefes de Estados de diversos países, como a Rússia, Espanha, Itália, Vietnam, Filipinas, Argentina, Chile, Cazaquistão, Etiópia, Quênia, etc., além do Secretário Geral da ONU e dos dirigentes do Banco Mundial e FMI.

O objetivo do encontro foi o de debater as potencialidades de cooperação no entorno das novas “rotas da seda”, que tratam de criar uma forte infraestrutura para potencializar a economia na Ásia Central, no Sudeste Asiático e na costa do Oceano Índico e integrá-las ao continente europeu.

A iniciativa conhecida como "Um Cinturão, Uma Rota", proposta pela China em 2013, é um ousado projeto econômico e geopolítico com o propósito de ampliar e fortalecer a cooperação regional.

Envolve 68 países: China, Mongólia, Rússia, Ásia Central, Ásia Ocidental, Península da Indochina, que no seu conjunto respondem por 65% da população mundial, 35% do comércio internacional, mas por apenas 30% do PIB, o que revela seu enorme potencial de crescimento.

Ele possui dois braços: terrestre e marítimo, respectivamente o Cinturão Econômico da Rota da Seda e a Rota Marítima da Seda do Século 21. O primeiro visa ligar a China com a Europa através da Ásia Central e Ocidental por rotas terrestres. O segundo visa conectar a China com outros países da Ásia, África e Europa por rotas marítimas.

O projeto envolve seis grandes regiões ou corredores econômicos: (1) o corredor ligando China, Ásia Central, Rússia e Europa (Báltico); (2) o corredor ligando China, Ásia Central, Oriente Médio, Golfo Pérsico e Mar Mediterrâneo; (3) o corredor ligando China, Sudeste Asiático, Subcontinente Indiano e Oceano Índico; (4) o corredor ligando China e Paquistão; e Bangladesh, China, Índia e Mianmar; (5) o corredor continental da Eurásia; e (6) o corredor ligando China, Mongólia e Rússia.

Trata-se de uma estratégia que tem por foco a interconectividade e a cooperação primeiramente entre os países da Eurásia e tem por objetivo construir uma rede de comércio e infraestrutura em uma espécie de rejuvenescimento da antiga Rota da Seda. As principais ações previstas nesse projeto referem-se à construção de infraestrutura de transporte e comunicação.

A iniciativa do "Um cinturão, Uma Rota" é parte dos esforços que o governo da China vem desenvolvendo para fortalecer a cooperação regional na Eurásia e não pode ser dissociada de outras iniciativas com o mesmo propósito já em funcionamento como a recente criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (em inglês: Asian Infrastructure Investment Bank - AIIB) do qual o Brasil é inclusive um dos sócios fundadores ao lado da China, Rússia, Índia e África do Sul.

Para apoiar o financiamento da Iniciativa, o governo chinês criou o Silk Road Fund, em 2014, com a previsão de investimentos da ordem de U$40 bilhões e também estruturou o Banco de Desenvolvimento em Infraestrutura da Ásia (Asian Infrastructure Investment Bank – AIIB), que tem por finalidade complementar o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB) em projetos de investimentos em infraestrutura.

Estima-se que a demanda anual de investimentos nos países da Ásia para que estes superem o subdesenvolvimento seja de aproximadamente US$1,7 trilhão por ano. Com o aporte da China, países que não possuem recursos vis-à-vis às suas necessidades podem ter acesso a fontes de financiamento e tecnologias de construção pesada oriundas da China. Exemplo disso é o Laos, onde está sendo construída uma ferrovia estimada em US$6 bilhões, quando o PIB do país alcança apenas US$12 bilhões.

Sem os recursos da Iniciativa “One Belt, One Road” dificilmente este país poderia construir uma ferrovia que integre sua capital Vientiane aos fluxos comerciais do Sudeste Asiático e da China.

Do ponto de vista da economia chinesa, esta Iniciativa possui um caráter anticíclico para a indústria de bens de capital da China e também de suas grandes empresas de construção civil, visto que depois de 2013 o país vem sofrendo os efeitos do excesso de capacidade produtiva em muitas áreas, notadamente no setor imobiliário.

Por outro lado, para os demais países envolvidos nesse projeto pode ser uma importante oportunidade para integrar-se às cadeias globais de valor que se desenvolvem na Ásia.Seus efeitos sobre a América Latina dependerão do quanto essa maior integração produtiva na Eurásia poderão resultar em desvio ou criação de comércio em relação a outras regiões do mundo.

É preciso destacar que a Ásia já é o principal parceiro a América Latina e que o comércio entre as duas regiões apresenta elevado grau de complementaridade. É possível que essa maior integração produtiva ao nível da Eurásia torne a China menos dependente da importação de algumas commodities de regiões mais distantes, o que poderia afetar negativamente o comércio com a América Latina.

É preciso considerar, contudo, que o crescimento sustentável da Ásia a longo prazo representará igualmente novas oportunidades de exportações, sobretudo de alimentos. Em suma, as mudanças estratégicas da China terão impactos significativos no cenário político e econômico mundiais. Para os países periféricos dependentes da exportação de commodities as perspectivas se apresentam desafiadoras.

* Marcos Cordeiro Pires é especialista em Economia Política Internacional. Coordenador do Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais da Unesp. Professor da Unesp de Marília.

* Luís Antonio Paulino é especialista em Economia Chinesa. Diretor do Instituto Confúcio na Unesp. Professor da Unesp de Marília.



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.