Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Caminhos para suprir as reais necessidades dos clientes

Caminhos para suprir as reais necessidades dos clientes

13/12/2018 Jose Zuhlke

Quase todo mundo já teve uma dor de garganta que demorou para melhorar.

Nesses casos, normalmente, a única solução é procurar um médico, ouvir seu diagnóstico e, por fim, seguir à risca a prescrição do remédio certo. Para as empresas que buscam inovação tecnológica, o cenário é semelhante. Não adianta usar soluções caseiras ou de empresas sem histórico. É preciso primeiro entender as demandas de negócios e partir para uma análise assertiva com apoio de uma empresa especializada em tecnologia, que ofereça soluções eficazes e capazes de solucionar demandas e/ou problemas internos.

Quem vende soluções de TI tem uma enorme responsabilidade no processo de inovação das estruturas corporativas. Afinal, vender ao cliente o que ele não precisa é o mesmo que indicar o remédio errado – o que pode significar muito mais do que apenas gastos desnecessários. Nesse cenário, é papel dos parceiros de TI ajudar a construir um ambiente de inovação assertivo, entregando atendimento consultivo e oportunidades orientadas à geração de valor às organizações atendidas.

No novo ambiente digital, para oferecer o que os clientes precisam é necessário seguir algumas etapas e fazer as lições de casa. Um ponto essencial, por exemplo, é estudar bem os negócios e os mercados de atuação. Somente a partir de um sólido e abrangente conhecimento sobre as demandas e expectativas das companhias é possível planejar e implementar sistemas diferenciados.

Notamos que o suporte exigido pelas companhias tem demandado uma visão corporativa mais robusta, com capacidade de identificar e resolver as necessidades dos clientes. Segundo dados do Gartner, 67% dos líderes corporativos consideram que a transformação digital de seus negócios é uma questão urgente e 77% dos executivos avaliam que o sucesso de suas novas iniciativas depende das áreas de TI. Isso significa que as companhias estão em busca de parceiros que as ajudem a dar passos seguros na jornada digital e, ao mesmo tempo, obter qualidade com os novos projetos desenvolvidos.

Apoio na transformação digital

A vantagem competitiva de contar com o apoio de parceiros estratégicos em TI é justamente a capacidade de apresentar projetos robustos, com planos que, além da parte técnica, também contemplem temas como redução de custos, melhora operacional e segurança. Fornecedores de serviços de TI especializados podem ajudar as organizações a descobrirem os melhores caminhos a serem seguidos, mostrando como gerar melhores resultados com os negócios digitais.

Essa atuação centrada nas prioridades dos clientes é o modelo que permitirá o apoio real às estratégias de transformação digital das companhias, oferecendo não apenas um remédio paliativo e perecível, mas também o tratamento completo, com tecnologias que ampliem o sucesso e a qualidade das empresas consumidoras.

As empresas apoiadas por fornecedores com tradição em TI têm notado uma evolução interessante em seus resultados, ainda mais quem possui um trabalho de longo prazo, prevendo desenvolvimento constante de novas aplicações, sempre em sintonia com as necessidades dos clientes que, como todos sabem, mudam com o passar do tempo.

A visão multidisciplinar é o maior desafio dos líderes de TI, que precisam entregar soluções para vários departamentos e criar sistemas que reúnam as informações em uma única estrutura digital. A abordagem atual já está prevendo equipes com profissionais com experiências complementares, capazes de entender de tecnologia e também de vendas e negócios, além de estarem aptos para escutar, analisar e propor soluções sob medida, considerando prazos e orçamentos cada vez mais desafiadores.

Para ganhar a confiança dos clientes, é necessário investir em processos que permitam o levantamento das informações (Assessment), a revisão constante das estratégias de negócio (Design Thinking), a criação de provas de conceito (POCs) para as áreas de negócios, a comparação de práticas (Benchmarks) e a aplicação de projetos-piloto que testem os benefícios e o retorno dos investimentos (ROI). Ao entregar esse pacote completo, as áreas de TI terão um papel cada vez mais estratégico junto ao alto comando das companhias.

Fazendo uma metáfora, a dor de garganta não volta se for tratada por especialistas e, muito menos, evolui para um caso de cirurgia, se bem diagnosticada. Precisamos tirar as empresas brasileiras desse estado constante de gripe e torná-las mais fortes e saudáveis em 2019, incluindo a tecnologia na agenda estratégica de crescimento.

* Jose Zuhlke é Diretor Executivo da Resource.

Fonte: PLANIN



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.