Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Carrancas na paisagem cultural do São Francisco

Carrancas na paisagem cultural do São Francisco

13/05/2017 Paulo Henrique Martinez

As carrancas são filhas do contexto artístico e social que as fez nascer e multiplicar.

A presença das carrancas, distintas figuras de proa nas barcas que navegaram os rios do vale do São Francisco, na primeira metade do século XX, é central na compreensão da paisagem cultural daquela região.

Nas margens do rio Corrente, afluente do São Francisco, no oeste da Bahia, Francisco Biquiba Guarany (1884-1985), notabilizou-se como mestre carranqueiro. Foi grande a expressividade tanto plástica, em robustas madeiras da região, como o cedro, quanto numérica, das peças que produziu ao longo de toda a sua vida.

Estima-se que ele entalhou ao redor de uma centena de carrancas para uso em embarcações e a decoração de interiores. O catálogo da exposição “Guarany: 80 anos de carrancas”, patrocinada pela Fundação Roberto Marinho, em 1981, reuniu informações, imagens e textos de Clarival do Prado Valladares e de Paulo Pardal, estudiosos das carrancas do São Francisco.

Devemos a eles o sistemático trabalho de registro, investigação, análises e difusão da arte das carrancas e de seu universo sócio-cultural. As interpretações que construíram sobre a existência das carrancas esteve profundamente marcada pelo contexto de valorização da cultura popular na década de 1970.

A ditadura militar estimulou a localização e a divulgação de artistas populares, em aberta tentativa de suprimir o diálogo crescente entre arte e contestação política que marcara a vida nacional na década de 1960. Foi nestes anos que as carrancas de Guarany ganharam grande visibilidade pública na mídia e em espaços culturais dentro e fora do Brasil.

Havia nesta orientação governamental nítida dimensão política, explicitada em muitos estudos. O historiador Antonio Gilberto Ramos Nogueira, do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará, destaca que sob os militares se procurou conferir novo lugar à cultura do povo no desenvolvimento econômico e na identidade nacional, impregnada de ufanismo.

Esta política logo valeu-se de novas concepções de patrimônio cultural – centrado na valorização da memória individual e coletiva – e de suas práticas de conservação, amparadas nas novas tecnologias de então, como registros audiovisuais, entrevistas e questionários.

O objetivo era o fortalecimento de identidades regionais pela identificação, inventário, divulgação e funcionamento de instituições dedicadas à cultura popular brasileira. A promoção oficial recairia não apenas sobre os bens culturais, mas, sobretudo, em processos de criação e de confeccção dos mesmos.

Ganhariam destaque a eficácia dos conhecimentos tradicionais dos artífices, as práticas ancestrais, aprimoradas empíricamente, em contato com a natureza e a memória oral de experientes mestres-artesãos, e os diversificados materiais e suportes, como palha, madeira, argila, couro, tintas, tecido, sonoridades, plantas e alimentos.

O risco de desaparição das técnicas e saberes, da perda de ambientes, ferramentas e instrumentos, completava o interesse pela memória e a cultura popular. As carrancas, a vida e a obra de carranqueiros e a de Guarany, em particular, tornaram-se objeto de estudo e apreço.

Os textos de Clarival Valladares e de Paulo Pardal traduziram o espírito de busca pela arte e a cultura popular e também o esforço de apreender o fenômeno das carrancas sob o nacionalismo da noção de patrimônio cultural animada sob a ditadura militar.

O alcance social desta orientação na política federal de cultura foi amplo e profundo. Inegavelmente, sob as concepções e valores atribuídos ao patrimônio cultural naqueles anos, outras ações sobre a paisagem cultural do vale do São Francisco podem ser observadas.

O mundo mítico-rural que gravita nas margens do grande rio e sua evocação como metáfora-síntese do Brasil são frequentes em nossa criação cultural. A reedição, em 1976, do romance Porto Calendário, de Osório Alves de Castro (1901-1978), e a pintura de Jairo Rodrigues da Silva (1958), são emblemáticas.

Ambos são de Santa Maria da Vitória, Bahia, cidade em que nasceu e viveu Guarany. Os livros de Osório abordam o universo histórico-social do vale do rio Corrente, no qual se situa a cidade, tributária da vida econômica do São Francisco.

As pinturas de Jairo Rodrigues da Silva surgem, no início dos anos 1980, sob o estímulo figurativo da natureza, de portos, barcas, rios e da gente ribeirinha. Em 2015, nova exposição no eixo Rio-São Paulo – A viagem das carrancas – recolocou em evidência as águas, a terra e o povo de lá.

Recente e de alcance nacional foi também a projeção daquela paisagem cultural na telenovela Velho Chico, examinada com argúcia pela professora Silvia Adoue (Unesp Ciência, setembro/2016). Estudos históricos e sociais sobre o vale do São Francisco têm realçado a secular presença negra na região.

Nas últimas décadas, a política de demarcação de áreas remanescentes de quilombos reiterou esta longeva peculiaridade demográfica, étnica e cultural. Para além da doutrinação ideológica, patriótica e de mercado, as carrancas são filhas do contexto artístico e social que as fez nascer e multiplicar.

Um singular encontro entre artesanato rural e economia mercantil, mais do que homens e mitos, é que aguarda ser desvendado pela pesquisa histórica.

* Paulo Henrique Martinez é professor na Universidade Estadual Paulista, Departamento de História da Faculdade de Ciências e Letras de Assis.



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.