Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Chega de teorias vãs

Chega de teorias vãs

31/07/2016 Benedicto Ismael Camargo Dutra

A crise global avança, mas as preocupações prioritárias continuam sendo com o dinheiro.

A melhor forma de desenvolver o interesse e a capacidade de discernimento dos estudantes é discutir com eles e ensinar questões ligadas ao nosso tempo e à nossa vida; chega de teorias vãs distantes da realidade.

Estudantes nos EUA são colocados diante de temas como economia, paz, terrorismo, aquecimento global. No entanto, há uma forte pressão que conduz ao marasmo e ao apagão mental, pois faltam iniciativa, bom senso, lucidez e consideração humana.

As novas gerações perderam o hábito de ler. Formar cidadãos de qualidade requer seres humanos despertos, que busquem respostas na vida e nos livros. A crise global avança, mas as preocupações prioritárias continuam sendo com o dinheiro.

Mas o inconformismo vai acumulando e já se observam suas manifestações raivosas contra a manipulação da massa quando se tornam evidentes o aumento das desigualdades e a manutenção do colonialismo predatório pelo mundo.

Acrescente-se o poder das imagens e pensamentos de ódio e violência que invadem o subconsciente de muitos que perderam o apoio do eu interior, tendo apenas a máquina cerebral como determinante de suas atitudes e decisões sem muita clareza, resultante de múltiplas influências negativas.

Hoje, como ontem, sempre estamos formando o futuro e as consequências virão em conformidade com o que está sendo gerado. As esperanças de melhoria vão se perdendo diante das dificuldades geradas pela falta de responsabilidade para com o futuro.

Como dinamizar a economia com o câmbio sendo cotado sem parâmetros confiáveis e com a crescente precarização geral? Sem dinheiro, as pessoas não se aprimoram, cortam o consumo. O mercado vai dando corda para governantes relapsos com os gastos e as contas internas e externas desarrumadas, até que surge o desequilíbrio com o aumento da dívida em relação ao PIB; aí é imposta a austeridade, pois a dívida tende a ficar insustentável.

O problema da precarização global tem fatores conjuntos; a Ásia fornece o território e mão de obra farta, atendendo ao grande interesse das transnacionais. Problemão para manter o nível de empregos com salários compatíveis.

A França e EUA se debatem com esse problema. Porém, mesmo com afrouxamento monetário, a reação tem sido pífia, pois o nível salarial é o de serviços simples, não aumenta o consumo, não ocorre aumento de produção interna.

No Brasil, juros elevados inibem o crédito e o consumo. Com juros menores, chegam menos dólares oportunistas afetando o déficit externo, mas o dinheiro sai da “toca” circulando mais. Se o dólar baixa, aumenta o déficit com o crescimento das importações.

Se o dólar aumenta, a indústria ameaça reagir. Como resolver essa complicada situação com as manipulações do câmbio, baixo nível de empregos e interesses em produzir na Ásia? O Brasil já queimou boa parte da indústria.

Precisamos de uma nova globalização que restabeleça o equilíbrio. Mas quem poderia coordenar isso? O caldeirão social está esquentando e a pressão aumentando. No mundo dos pensamentos, o cérebro funciona como transmissor e receptor, de acordo com a sua sintonização.

Quando o eu interior não conduz o cérebro, ele acaba nos conduzindo e aí prevalecerá a força das conexões para as quais nos abrimos, que adquirem o controle sobre os incautos sem que percebam isso, muitas vezes levando-os a fazer algo que não queriam fazer.

É preciso pensar com clareza no que realmente se quer, seja progredir nos estudos e no trabalho, ou viver bem com as pessoas e com seu cônjuge, ou o que for. Examine sempre o que é importante em sua vida, não deixe que as ninharias possam se interpor entre você e o que você quer, impedindo a vida feliz.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa