Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cinco dicas de como o autônomo deve administrar seu dinheiro

Cinco dicas de como o autônomo deve administrar seu dinheiro

10/07/2015 Lélio Braga Calhau

O autônomo não pode ficar doente e faltar no trabalho, caso contrário não vende, não presta o serviço e não recebe.

Se o servidor público e o trabalhador celetista estão preocupados com o seu futuro, tendo em vista que estamos no meio de uma grande crise econômica no país, inclusive com possibilidade de ser agravada por problemas externos, como a “quebra” da Grécia, o autônomo tem mais motivos para se preocupar com o seu futuro financeiro.

A verdade é que o autônomo passa por um problema na questão do equilíbrio financeiro. Explico.

Na prática, ele deve ter o dobro de cuidado quando o assunto é dinheiro. Por exemplo, o autônomo não pode ficar doente e faltar no trabalho, caso contrário não vende, não presta o serviço e não recebe.

Isso afeta diretamente o seu fluxo de caixa. Por isso, a seguir, dou algumas dicas de como o autônomo poderá administrar as finanças e ter segurança financeira.

1. Não misture as despesas pessoais com as despesas da sua atividade profissional: é muito fácil se confundir quando não há essa divisão. Aí surge o descontrole e começam grandes problemas. Não misture sua vida pessoal com as finanças de seu negócio.

2. Seja cauteloso financeiramente: o autônomo tem condições, em tese, de ganhar muito mais que um empregado. É verdade! É ele o dono do seu próprio negócio, mas por outro lado se encontra financeiramente numa situação diferente do servidor público ou do trabalhador celetista. Ele, mais do que todos, deve ser rigoroso e prudente, quando se trata de zelar pelo seu próprio equilíbrio financeiro. Antes de gastar, pense se aquilo realmente é importante.

3. Tenha uma reserva financeira: nesse sentido, o autônomo, mais do que os outros trabalhadores citados, deve ter uma reserva financeira proporcionalmente maior do que os outros trabalhadores. Além disso, existem despesas conhecidas que surgem de tempos em tempos (IPVA, IPTU, materiais escolares, etc), e como o autônomo não tem 13º salário, ele tem que ter uma reserva previamente separada para isso. A opção é abrir cadernetas de poupança e depositar mês a mês pequenos valores, que somados em dez a doze meses, resultam, no valor dessas temidas despesas de início de ano.

4. Esteja preparado para crises financeiras: indico que o autônomo tenha uma média de três a seis vezes o valor de suas despesas mensais para momentos de crise. Se ficar desempregado, bater uma crise, acontecer algum acidente ou problema grave de saúde, há uma chance boa de você conseguir se reorganizar com essa reserva separada.

5. Recolha as contribuições para a previdência pública: Essa é uma estratégia a longo prazo. É importante ter essa complementação no futuro, por motivos óbvios. Ruim com ela, pior sem ela.

Crises econômicas são cíclicas. Elas virão e depois irão embora. A bonança chegará e, tempos depois, outra crise econômica surgirá.

O autônomo mais do que todos, deve se organizar e nos tempos bons tentar fazer a maior parte de sua reserva financeira, em especial, em aplicações de renda fixa.

Não é fácil montar uma estratégia para economizar, mas se começar a ser construída com um prazo maior, ela pode ser alcançada. Pense sempre na sua estratégia financeira, lembrando que você tem objetivos de curto, médio e longo prazo. Seu futuro agradece!

* Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais.



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan