Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como entender a real necessidade do cliente?

Como entender a real necessidade do cliente?

24/05/2017 Mário Rodrigues

O mundo das negociações mudou muito.

Como entender a real necessidade do cliente?

Durante muitos anos, eram atribuídas à profissão de vendedor características como uma boa conversa, o uso de frases de efeito e o conhecimento apenas sobre o produto. O mundo das negociações, no entanto, mudou muito!

De tempos para cá, muito por conta da facilidade de acesso que o comprador passou a ter às informações, fatores como uma boa capacidade investigativa, uma argumentação segura, credibilidade e agilidade no atendimento passaram a ser mais importantes para que o vendedor concretize seu objetivo.

Nada disso, porém, é mais importante que entender o cliente, uma qualidade que faz com que todas as demais ganhem valor para quem está comprando. O "bom atendimento passa, inevitavelmente, pelo bom entendimento", esta é a máxima a ser praticada diariamente por vendedores e vendedoras!

Para bem atender o cliente, é imprescindível entender sua exata necessidade, saber o que ele procura para resolver essa necessidade, para que, então, seja possível supri-la da maneira mais eficiente. O profissional de vendas precisa desenvolver sua capacidade investigativa, sua capacidade de perguntar com o interesse genuíno de ajudar o comprador.

Quando é bem atendido, o cliente naturalmente passa a dar valor a isso. E valor não é algo que podemos comprar ou produzir, valor é algo que ganhamos, que é enxergado ou não e, por fim, é dado pelo cliente - “ou o cliente lhe dá valor ou não dá”.

E é aí que entra a chave para que o resultado apareça nos números: quando o cliente valoriza algo, o vendedor passa a ter direito de cobrar por isso, de pôr um preço em seu serviço ou produto e de ver seu resultado ampliado. A função de um vendedor profissional nada mais é que conquistar o direito de cobrar por aquilo que oferece.

Para isso, é preciso estar preparado, saber o momento de ouvir, fazer as perguntas na hora certa, ir para uma reunião já sabendo do que se trata, conhecer tudo sobre o produto, ser mais que um folheto ambulante, fazer o cliente enxergar valor no que está oferecendo.

É preciso estar treinado para ter o melhor entendimento e, consequentemente, oferecer o melhor atendimento!

* Mário Rodrigues é diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas).



O que será o Novo Normal?

Tem gente louca para voltar. E outros em pânico só de pensar em retornar.


A linha nada tênue entre liberdade de expressão e fake news

No longínquo 2008, quando, em meio a um enorme debate sobre a obrigatoriedade ou não de se ter um diploma para o exercício da prática jornalística, comecei a minha graduação, não existia o termo ‘fake news’, tão popularizado atualmente no Brasil e no mundo.


Não se educa calando

Estudei no colégio militar de Fortaleza, entre 1975 e 1981. Antes, fiz o Fundamental I na escola municipal Jenny Gomes, no bairro Aerolândia.


Pai todos os dias

Mais um Dia dos Pais se aproximando e isso deixa mais vivo na memória que minha filharada está tão longe, que a casa está vazia e isso dá uma saudade danada.


Santo Antônio, um rio santo!

A história de Minas começou junto a seus rios. A maioria das cidades nasceram das suas nascentes e se tornaram realidade em suas margens.


Arranhões ao equilíbrio institucional

O vice-presidente, Hamilton Mourão, afirma que o Judiciário tem sido usado como linha auxiliar dos partidos que perderam as eleições ou não conseguem vencer as votações no Congresso.


Os três “Fs” de D. Pedro e de Salazar

Dizem que D. Pedro do Brasil, quando invadiu Portugal, desembarcou em Mindelo, e sentiu fome.


Chave interdisciplinar: escola conteudista ou de competências

A educação em tempos de Covid-19 provocou reflexões em pais e professores sobre que escola de fato precisamos e queremos para formação das novas gerações.


Bater nas crianças: um projeto político

“Há muitos anos, percebi de repente que o país a que pertencemos não é, como quer a retórica mais corrente, o país que amamos, e sim aquele do qual nos envergonhamos.”(Carlo Ginzburg)


Estamos sendo justos com a publicidade?

Talvez você não goste do que vai ler aqui. Na verdade, talvez nem eu goste, mas aprendi que o primeiro passo para resolver um problema é admitir que você tem um.


O “AutoconheCINEMA” online como escapatória para o confinamento

A quarentena imposta pela pandemia forçou diferentes grupos sociais a reinventarem suas atividades de lazer.


Efeito Dunning-Kruger: por que tolos se acham gênios?

Você já se deparou com um péssimo profissional que se acha o máximo? E com um artista amador que se julga um talentoso incompreendido?