Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Conservadorismo e Fusionismo

Conservadorismo e Fusionismo

05/12/2014 Watson Bandeira

Os conservadores tupiniquins (que estão mais para neoconservadores) atiram constantemente no próprio pé ao defenderem a moralidade imposta à sociedade brasileira.

A esquerda, em seu sucesso de dominação ideológica, prega a liberdade individual, o que causa extrema hostilidade para com os conservadores, impedindo mais adeptos para o conservadorismo. Nesse país, onde velhos cagões e senis pregam um conservadorismo ao estilo “badass” (para os desconhecedores do termo, durão, alguém que é considerado “fodão”) de ser, por colocar palavrões entre suas objeções e argumentações, mas não tem coragem de vir morar pra cá; e onde seus seguidores papagaios falam #EleTemRazão, votando em Bolsonaros, a demonização de suas ideologias e de suas ações são efeitos já esperados (e para nós libertários, muito bem-vindos).

Eis que eles não aceitam de boa vontade o contrato voluntário mutual entre duas pessoas de mesmo sexo (casamento), pela extrema vigilância da vida alheia conforme os seus preceitos morais, muitas vezes justificados com as frases “É agenda da esquerda!”, “É coisa do Foro de São Paulo!”. Tem o estado tanto poder assim, a ponto de interferir em relações intimas entre dois indivíduos, com a justificativa da moral (algo que varia de individuo para individuo) adotada pelo estado ser infringida? Conservadores são autoritários enrustidos, assim como os esquerdistas.

A tendência conservadora é cada vez mais o crescimento do estado (o agressor primário do indivíduo), visando à conservação da moral imposta. Logo, o estado irá começar a interferir cada vez mais na economia, banindo produtos (drogas) e serviços (meretrício, prostituição), e cada vez mais ditar valores objetivos por meio da força em definições que são subjetivas por natureza (a definição da família é um exemplo). Além de gerador de estatismo, o conservadorismo também é gerador de problemas sociais. Um exemplo disso é que a proibição das drogas gera cartéis ditos criminosos na perspectiva estatal conservadora, outro exemplo é a venda de órgãos que geraria um mercado, o que poderia possibilitar uma pessoa a amenizar sua situação financeira temporariamente.

Tais fatos expressados acima tornam impossível o sonho de uma oposição unificada no Brasil; o adorado e fantasioso “Fusionismo”, onde libertários desfocados aderem constantemente aos ideais conservadores. Um libertário que come junto com estatistas morais nunca será um libertário, uma vez que o libertarianismo é uma espécie de conservadorismo moral da moral libertária e, portanto incompatível com qualquer tipo de estatismo. Um libertário fusionista é equivalente a um esquerdista libertário, que por sua vez é equivalente a um circulo cúbico. Ou é conservador, ou é libertário. Não existe meio termo.

Tais passeatas e manifestações com caráter fusionista, não passam de mera baderna, tanto literalmente, quanto em caráter ideológico. O fusionismo é um câncer que deve ser combatido arduamente, sendo desassociado do libertarianismo. O purismo e foco é algo essencial para a causa da liberdade. Fusionismo só serve para desvirtuar lentamente aquilo que podemos chamar de libertarianismo. Quanto mais fusionismo, mais aberrações ideológicas serão geradas a partir do choque ideológico conflitante do libertário contra o conservador.

Resumindo o fusionismo em uma só frase: “É a manifestação da falta de pureza e de foco na liberdade, é o pretexto para “libertários” serem estereotipados com o mesmo estereotipo odioso dos conservadores, é a vitória do autoritarismo moral sobre a liberdade moral.”. Conservadores não são, e nunca serão bem vistos sobre o viés libertário, embora compartilhem raras concordâncias com a liberdade.

* Watson Bandeira é Estudante e Colunista do Portal Liberdade em Foco.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa