Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Currículo falso: o recrutador está de olho!

Currículo falso: o recrutador está de olho!

01/05/2017 Juliana Barsotti

Algumas pessoas cometem o erro de utilizar informações falsas, um risco que não vale a pena correr.

Na ansiedade de conseguir uma nova oportunidade de trabalho, muitas pessoas se perdem ao elaborar um currículo. Colocam informações falsas e acabam perdendo a oportunidade ou prejudicando um candidato que realmente preencha todos os requisitos que a vaga requer.

Desse modo, ao elaborar um currículo, é necessário atentar-se ao seu conteúdo, pois todas as informações devem ser verídicas. E para não cometer este erro, seguem algumas importantes orientações:

- Muitos tópicos podem ser facilmente comprovados, como fluência em outro idioma, por exemplo. Basta uma conversa com o candidato na língua para identificar se tem, de fato, habilidade para tal;

- Atente-se ao período de permanência nas empresas. Com receio de achar que o recrutador achará pouco tempo ou que está há muitos meses desempregado, alguns candidatos estendem a data;

- Cursos que não foram realizados, como graduação, informática etc, são fáceis de comprovar. O recrutador pode entrar em contato com a instituição e/ou solicitar os devidos diplomas e certificados;

- Disponibilidade para viajar ou trocar de residência. Este item é bem importante e o candidato tem que estar ciente quanto a sua disponibilidade. Apenas preencher não é garantia de que conseguirá a oportunidade;

- Informar experiência em um cargo no qual nunca atuou, ou só ouviu falar e quer se candidatar à vaga. É algo que o recrutador pode identificar facilmente na entrevista, realizando algumas perguntas técnicas.

Por estes motivos, o indicado é colocar no currículo apenas informações verdadeiras para não correr o risco de fechar várias portas no decorrer da busca por recolocação profissional.

* Juliana Barsotti é tecnóloga em Gestão de RH e graduada em Psicologia.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.